30 anos após o acidente com o césio-137, em Goiânia, Brasil ainda não sabe o que fazer com material radioativo

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa Francisco ataca o 'desejo de poder', a 'rigidez disciplinar' e a 'deslealdade' nas associações de fiéis, dos movimentos eclesiais e das novas comunidades

    LER MAIS
  • Vacinas, o grande golpe da Big Pharma

    LER MAIS
  • A furiosa e disfarçada guerra pela Água no Brasil

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Setembro 2017

A radiação emitida foi reduzida pela metade no local do acidente, em Goiânia, de acordo com o professor Daniel Junqueira Dorta, da USP de Ribeirão Preto.

A reportagem é de Giovanna Grepi, publicada por Rádio USP, 25-09-2017. 

Ações durante o acidente com o césio-137 em Goiânia, em 1987 (Foto: National Nuclear Energy Commission (CNEN) / International Atomic Energy Agency)

Este mês, o acidente radiológico com o césio-137, em Goiânia, completa 30 anos. Segundo a Comissão Nacional de Energia Nuclear, no âmbito radioativo, esse acidente só não foi maior que o da usina nuclear de Chernobyl, na Ucrânia.O acidente aconteceu dia 13 de setembro de 1987, quando dois jovens catadores de papel encontraram em um prédio abandonado, onde funcionava uma clínica desativada, um aparelho de radioterapia contendo o elemento radioativo.

Ao desmontar a peça, os catadores se encantaram com 19 gramas de pó branco parecido com sal de cozinha que, no escuro, brilhava com uma coloração. O dono do ferro-velho, Devair Alves Ferreira, sem conhecimento dos riscos, exibiu o material para amigos e familiares. Só duas semanas depois é que foi descoberta a natureza do material.

O incidente virou tragédia, que deixou 129 pessoas contaminadas e quatro mortas por síndrome de radiação aguda. O professor Daniel Junqueira Dorta, do Departamento de Química da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP), explica que não houve mudanças quanto aos cuidados com o descarte de aparelhos que emitem radiação. “Na verdade, já naquela época estava na forma errada”.

Além disso, ele fala da atual situação da radiação naquele local. Hoje, a radiação emitida foi reduzida pela metade, o chamado tempo de meia-vida. “Mais 30 anos, essa radiação deve cair 25%”.

Ouça o áudio aqui

Leia mais

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

30 anos após o acidente com o césio-137, em Goiânia, Brasil ainda não sabe o que fazer com material radioativo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV