A grande extinção de empregos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Paraná. Professores entram no sexto dia de greve de fome

    LER MAIS
  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Julho 2017

Quem tem menos de 50 anos testemunhará uma grande extinção de profissões

Ontem [27-07-2017], Jeff Bezos da Amazon ultrapassou Bill Gates, da Microsoft, como o homem mais rico do mundo. Em terceiro segue Carlos Slim, o bilionário mexicano cujos negócios não nasceram da alta tecnologia. Em suas voltas pelo mundo, Slim tem dito que devemos nos preparar para aguentar o tranco da nova revolução industrial. Não será a primeira vez que o desenvolvimento de tecnologias mudará a natureza do trabalho — profissões vêm nascendo e se extinguindo desde a invenção do arado. Mas pela primeira vez, crê Slim, o número de empregos criados será menor do que o de extintos. Ele não está sozinho. Muita gente no Vale do Silício concorda.

As informações são de Pedro Doria, publicadas por O Globo, 28-07-2018.

Durante a campanha presidencial, uma das promessas de Donald Trump era trazer de volta fábricas para as terras americanas. O que Trump não disse é que as fábricas de hoje são muito diferentes daquelas que deixaram o país um quarto de
século atrás. Cada vez mais automatizadas por robôs. A entrada dos carros autônomos não extinguirá apenas o trabalho de motoristas — de garagistas a entregadores a guardas de trânsito, muitas funções desaparecerão. Robôs manterão casas e prédios limpos — os aspiradores de pó já começam a se popularizar. Algoritmos de inteligência artificial já são capazes de fazer a contabilidade de empresas de médio porte e gerenciar inúmeros problemas de logística. Já há lojas operando sem a necessidade de qualquer um no caixa — o sensor reconhece o cliente, os produtos que pega e abate o valor do cartão sem a necessidade de filas.

Quem tem menos de 50 anos testemunhará durante sua carreira uma grande extinção de profissões. Não é possível afirmar que Slim esteja certo — que o número de postos extintos será maior do que os criados. Mas é uma possibilidade real.

Numa conversa realizada no início do mês com seu colega George W. Bush, o ex-presidente americano Bill Clinton defendeu a ideia da diminuição da carga de trabalho. Se todos trabalharmos menos horas, haverá mais gente empregada.

Entre 2014 e janeiro último, a segunda maior cidade sueca, Gotemburgo, fez o teste em um dos retiros públicos para idosos. Ao invés de oito horas por dia, os empregados passaram a trabalhar seis. Aumentou-se a equipe para compensar as horas a menos e os salários permaneceram iguais. Documentaram melhora de saúde, de humor e maior produtividade. Nas contas, os custos para o governo municipal aumentaram em 22% e houve uma economia de 10%, causada por menos gastos com saúde e seguro desemprego. No fim, a conclusão é de que o aumento tornou a experiência inviável em larga escala.

Em outros casos, os resultados são distintos. Filimundus, uma empresa sueca de software, fez o mesmo teste: manteve os salários diminuindo a carga horária. Viu o aumento de felicidade da equipe, a melhora de saúde, mas não registrou queda de produtividade.

Pelo contrário: mais animados, os funcionários produzem o mesmo de antes, e agora com um dia a mais no fim de semana. A natureza do trabalho faz toda diferença. Idosos precisam de gente presente em todas as horas do dia. Escrever software não exige gente no escritório o tempo todo.

De Toyota ao Google, inúmeras empresas vêm testando a diminuição da carga, às vezes abaixando o salário, nem sempre. Mas há outra proposta em estudo: renda mínima, a ideia mais popular em circulação no Vale. Software e hardware aumentará a produtividade do mundo e, portanto, a riqueza. Talvez parte deste dinheiro devesse ser revertido de volta, garantindo um salário base mensal para todos nós, humanos. De Gates a Mark Zuckerberg a Bill Clinton, entusiastas da ideia não faltam.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A grande extinção de empregos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV