Acusado de pedofilia, Cardeal Pell mantém inocência em primeira audiência diante do tribunal

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Bispo brasileiro diz que ordenará mulheres ao diaconato se papa permitir

    LER MAIS
  • Príncipe Charles e Bolsonaro: as duas faces da “diplomacia” dos santos

    LER MAIS
  • Nobel de Economia vai para três estudiosos “comprometidos com a luta contra as pobrezas e as desigualdades sociais”

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Julho 2017

O circo – como a imprensa vem chamando – começou às 5h, quando uma grande equipe da CNN chegou do lado de fora do Tribunal dos Magistrados de Melbourne, embora o jornal Herald Sun já contava com repórteres no local para noticiar o fato.

A reportagem é de Barney Zwartz, publicada por National Catholic Reporter, 25-07-2017. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Às 6h, dezenas de meios de comunicação locais e internacionais já tinham chegado, seguido por apoiadores dos sobreviventes de abuso clerical por volta das 7h. Todos esperavam entrar na Sala 2 do tribunal, que conta apenas com 37 acentos para o público e a imprensa. Segundo consta, os guardas do tribunal estavam a postos desde as 21h30 da noite anterior para cuidar do local.
Pouco antes das 9h o foco das atenções chegou ao tribunal: o Cardeal George Pell, prelado católico de mais alto escalão a enfrentar acusações de abuso sexual infantil. Ele estava acompanhado de sua equipe jurídica – que conta com Robert Richter, um dos advogados mais caros e importantes da Austrália – e cercado por aproximadamente uma dúzia de policiais.

A esta altura, a imprecisão do epíteto “circo” se tornou aparente, pois um circo é geralmente marcado por coreografias extremamente organizadas, e isto daqui estava parecendo mais um ajuntamento assustador, com pessoas gritando a todos os cantos. O cardeal, vestindo um sobretudo preto, permaneceu em silêncio enquanto os jornalistas disparavam uma grande quantidade de perguntas.

A situação ficou mais caótica quando Pell deixou o tribunal, momento em que havia, no lado de fora, cerca de 200 jornalistas, mais dezenas de sobreviventes de abuso sexual e pessoas que expressamente estavam aí em apoio ao religioso, todos seguindo o cordão policial de cerca de 100 metros que levava até o escritório advocatício de Richter.

Em um exemplo adorável de ironia que eventos como este podem trazer, alguns jornalistas reclamaram do caos, aparentemente sem darem-se conta de quem o causava: os meios de comunicação.

Vieram jornalistas dos EUA, da Europa, de Hong Kong, da Nova Zelândia, além de grupos midiáticos australianos, para esta curta audiência no tribunal.

A audiência de hoje, 26 de julho, foi a primeira de várias que o cardeal, de 76 anos terá de participar. A principal finalidade desta sessão foi estabelecer um cronograma para as audiências futuras.

Esta audiência administrativa durou poucos minutos, e estabeleceu a data de 6 de outubro para a audiência de julgamento, quando um magistrado ouve os depoimentos e decide se há motivos para dar início ao processo. Os procuradores deverão apresentar provas preliminares para a defesa no dia 8 de setembro.

Funcionários do tribunal disseram que nenhuma providência especial, além de um reforço na segurança, havia sido providenciada para o cardeal. Ele entrou pela porta da frente e passou pelos detectores de segurança como todo mundo.

As acusações não foram divulgadas e nenhum pedido formal foi entregue, mas Richter contou ao magistrado, Duncan Reynolds, que o cardeal declarar-se-ia inocente de todas as acusações. “Para evitar dúvidas (...), o Cardeal Pell irá se declarar inocente de todas as acusações, e vai sustentar a inocência presumida que ele tem”, disse Richter.

A polícia disse que existem múltiplas acusações envolvendo várias vítimas de “abuso sexual histórico”. A polícia investigou por dois anos os primeiros relatos, o que incluiu viagens a Roma para entrevistar Pell, antes de decidir acusá-lo.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Acusado de pedofilia, Cardeal Pell mantém inocência em primeira audiência diante do tribunal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV