Modelos para o Clero. Mea culpa e reabilitação papal

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Cardeal Müller: documento vaticano sobre a Amazônia contém heresia e estupidez. “Não tem nada a ver com o cristianismo”

    LER MAIS
  • A história dos 13 agricultores presos por Moro e depois absolvidos

    LER MAIS
  • Vozes que nos desafiam. Maria Madalena, a primeira testemunha da Ressurreição

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

22 Junho 2017

"Exercendo a caridade, que é a poesia dos céus."

Dois padres perseguidos pelo Santo Ofício e tachados de comunistas, simplesmente por apostarem nos pobres e por terem cheiro de ovelha.  

O comentário é de José Manuel Vidal, publicado por Religión Digital, 20-06-2017. A tradução é de Henrique Denis Lucas

O papa reservou uma manhã para entonar um 'mea culpa', em seu próprio nome e da Igreja, e para reabilitar com todas as honras, com a sua presença e oração, diante de seus jazigos, a dois padres italianos profetas, engajados em sua missão pastoral, amigos dos pobres, defensores dos humildes. Dom Primo Mazzolari e Dom Lorenzo Milani: dois exemplos, duas referências para os sacerdotes de hoje.

Uma das dificuldades mais importantes para transformar a revolução evangélica de Francisco são os sacerdotes jovens,que deveriam ser herdeiros de Mazzolari e Milani, mas que não o são, talvez à contragosto, em muitos casos. Porque eles foram moldados em seminários, desde o pontificado de João Paulo II, para serem 'funcionários do sagrado'. E mudar de chip é custoso.

Talvez seja por isso que o Papa Francisco quis ir às aldeias de Buzzolo e Barbiana para prestar homenagem e proclamar a estes dois sacerdotes como modelos a serem imitados pelo clero italiano e ao redor do mundo. Porque Mazzolari e Milani, dois padres de aldeia, dois padres de povoados encarnar a figura de tantos párocos do mundo, que entregaram e entregam suas vidas profundamente por seu povo e por sua missão pastoral próxima, sensível, atenta, amorosa e terna. Exercendo a caridade, que é a poesia dos céus.

Francisco foi a Bozzolo e Barbiana. E ele se demonstrou à vontade entre os povos destas aldeias, alguns dos quais haviam conhecido os dois padres. Dois padres que cheiravam a Evangelho. Dois padres em saída. Dois padres que encarnaram o espírito do Concílio até as suas últimas consequências. Dois padres geraram a primavera de Francisco.

Dois padres distintos, mas unidos pelo mesmo zelo do Evangelho, dos pobres e da Igreja. Dois padres perseguidos pelo Santo Ofício e tachados de comunistas, simplesmente por apostarem nos pobres e por terem cheiro de ovelha. Sua própria Igreja os fizeram sofrer muito. Francisco resgata sua memória e a coloca no frontispício dos aspirantes a padres e dos próprios sacerdotes, especialmente os mais jovens.

Dois padres 'hereges', aos quais o Papa acaba de dar um empurrão para os altares. A causa da Dom Mazzolari será introduzida em Setembro deste ano. E Dom Milani foi 'canonizado' em Barbiana pelo próprio Francisco, com estas palavras sinceras: "Não se trata de suprimir a história nem de negá-la", mas "a Igreja reconhece naquela vida uma forma exemplar de servir ao Evangelho, aos pobres e à própria Igreja. E que inclusive eu tome como exemplo deste valente sacerdote".

Dom Primo e Dom Lorenzo, rogai por nós!

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Modelos para o Clero. Mea culpa e reabilitação papal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV