A degradação democrática: imprensa, poder e golpismo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • No dia 09 de outubro de 2020, o cardeal Tolentino Mendonça abordará as contribuições de Francisco para um futuro pós-pandêmico, em conferência online

    Pandemia, um evento epocal. A encíclica Fratelli Tutti, lida e comentada por José Tolentino Mendonça, cardeal, no IHU

    LER MAIS
  • “Da crise não saímos iguais. Ou saímos melhores ou saímos piores”, afirma Papa Francisco na ONU

    LER MAIS
  • É possível o fim da espécie humana?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


21 Fevereiro 2017

“O que perverte a democracia não é a decisão correta do Governo Temer, de liberar as contas inativas do FGTS para os seus beneficiários. É o uso político desta decisão por um presidente usurpador para, nas vésperas da publicação de delações premiadas que certamente envolvem o seu nome, aproveitar a oportunidade de apresentar-se como juiz das delações sobre seus ministros. Busca colocar-se, com este artifício pueril, “acima” das explicações que ele mesmo deverá dar, sobre a sua permanência ou não no Governo, se for denunciado ou indiciado em virtude daquelas delações”, escreve Tarso Genro, ex-governador do Estado do Rio Grande do Sul – PT, em artigo publicado por Sul21, 20-02-2017.

Segundo ele, “o que fragiliza a democracia é um sistema de poder que falsifica a luta contra a corrupção, para “eleger” indiretamente um Chefe de Governo que se torna refém do “ajuste”, acompanhado pelos perdedores da eleição”.

“O que degrada e perverte a democracia – conclui - não é o excesso de liberdade, é o desrespeito e a manipulação da liberdade alheia”

Eis o artigo.

Nestes tempos de exceção e golpismo que corroem a democracia e o nosso Estado Social de Direito, é importante propor uma discussão sobre os valores em disputa e os efeitos da degradação destes valores sobre os discursos políticos em curso. A forma pela qual se dá o contencioso entre os projetos e ideologias no Estado Democrático, molda o conteúdo das saídas em situações críticas: assim como não há saídas para crises somente pela economia, não é possível formar um consenso majoritário e legítimo, sem que ele seja informado por determinados valores, acordados aberta ou tacitamente no processo político, entre as facções que tem responsabilidade com a democracia.

Para esta reflexão faço uma abordagem um pouco diversa daquela que majoritariamente tem rolado nas redes, sobre os dilemas que nos pressionam. Por exemplo, o que perverte e degrada a democracia não é a decisão do Ministro Celso de Mello, que não anulou a decisão do presidente Temer designando Moreira Franco como Ministro. O que a degrada e perverte é a decisão do Supremo, que impediu Lula de assumir uma função ministerial, firmada por uma Presidente eleita e legítima, depois derrubada por um Congresso já degradado.

O que degrada a democracia não é a atitude dos militares opondo-se à reforma da previdência quando esta “toca” nos seus direitos. Todos os estamentos burocráticos do Estado, civis ou militares – em qualquer nível – fazem o mesmo. O que a compromete é o silêncio histórico das forças políticas do campo progressista e democrático, ao não terem construído uma proposta da Previdência de caráter social-democrata. Esta, resguardando as especificidades de cada contingente do setor público, poderia fazer das aposentadorias e pensões um poderoso instrumento de distribuição e equalização da renda, inclusive dentro do setor público.

O que perverte a democracia é o tratamento diferenciado, cínico, manifestamente manipulatório, que a grande imprensa dá, às duas decisões do Supremo – sobre Lula e Moreira Franco – como se elas tratassem de casos distintos. O que esta imprensa pretende é, mantendo a aparência de “legitimidade” da decisão contra Lula, deixar passar em branco a decisão que beneficiou Moreira Franco, sem contradizer as suas coberturas anteriores. Aquelas pelas quais ”festejaram”, sem nenhum pudor, o bloqueio ilegal da nomeação de Lula.

O que perverte a democracia não é a decisão correta do Governo Temer, de liberar as contas inativas do FGTS para os seus beneficiários. É o uso político desta decisão por um presidente usurpador para, nas vésperas da publicação de delações premiadas que certamente envolvem o seu nome, aproveitar a oportunidade de apresentar-se como juiz das delações sobre seus ministros. Busca colocar-se, com este artifício pueril, “acima” das explicações que ele mesmo deverá dar, sobre a sua permanência ou não no Governo, se for denunciado ou indiciado em virtude daquelas delações.

O que perverte a democracia não é a cautela na divulgação das delações premiadas (sejam elas quais forem) de duvidosa validade como prova, mas é a pressa tornada crime, pela divulgação de informações e delações que deturpam o devido processo legal. O que a perverte é a liberação criteriosa, dirigida, persecutória – feita até o presente – das referidas delações, para incriminar os adversários da exceção, o PT, Lula, Dilma e outros tantos quadros da oposição, estejam eles envolvidos em atos criminosos ou não.

O que degrada a democracia é o ataque promovido contra a “política” em geral, combinado com a proteção – marcada em notas de rodapé – dos epígonos do golpe e dos apoiadores do “ajuste”. O que perverte a democracia não é a investigação de delitos contra o Estado, nem os processos contra a corrupção: é o linchamento público de quem lhes interessa anular ou matar. O que degrada a democracia é o vazamento seletivo de informações, é a campanha nitidamente de natureza política feita por certos promotores. É a parcialidade de juízes, as conduções coercitivas desnecessárias e as prisões arbitrárias: o que perverte a democracia não é o “devido processo legal”, mas a sua transmudação em juízos de “exceção”.

O que degrada e perverte a democracia não são os jornalistas que, sendo contra a esquerda, embarcam na exceção agindo de acordo com a sua consciência política. Nem a submissão dos jornalistas aos seus patrões, quando o fazem para não perder seus empregos, embora desdenhem da lição de Pulitzer. O que a degrada é a própria falta de alternativas que bloqueia - os que resistem - a possibilidade de fazerem um trabalho independente, face à pressão brutal do oligopólio, que controla a formação da opinião e a oferta de empregos. O que fragiliza a democracia é um sistema de poder que falsifica a luta contra a corrupção, para “eleger” indiretamente um Chefe de Governo que se torna refém do “ajuste”, acompanhado pelos perdedores da eleição.

O que degrada e perverte a democracia não é o excesso de liberdade, é o desrespeito e a manipulação da liberdade alheia.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A degradação democrática: imprensa, poder e golpismo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV