Cavaleiros de Malta: "Uma ordem militar poderosa e misteriosa". Entrevista com Agostino Paravicini Bagliani

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Por que o Papa Francisco não tem medo de um cisma

    LER MAIS
  • Os 12% do presidente – em que lugar da sociedade habita o bolsonarista convicto?

    LER MAIS
  • O cardeal Burke inicia a cruzada contra o Sínodo sobre a Amazônia, com base em um documento herético

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

27 Janeiro 2017

Ela tem a sua sede em Roma, na Via dei Condotti, entre as lojas de luxo. É religiosa, mas também militar e cavalheiresca. Nascida a acompanhar as Cruzadas, organizando hospitais, hoje ela é reconhecida como um Estado, tem placas automobilísticas próprias e até mesmo um lugar de “observadora” nas Nações Unidas. É a Ordem de Malta, na qual se entra “apenas sob cooptação”. E grande parte dos membros são “nobres e aristocratas”. Quem explica é Agostino Paravicini Bagliani, por 28 anos professor de história medieval na Universidade de Lausanne.

A reportagem é de Domenico Agasso Jr., publicada no jornal La Stampa, 26-01-2017. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Quem são os Cavaleiros de Malta?

A Soberana Ordem Militar de Malta foi reconhecida como ordem religiosa pelo Vaticano – foi refundada em 1803, pelo Papa Pio VII, depois novamente confirmada por Leão XIII –, mas também é considerada um Estado por mais de 80 países. Ela goza ainda de um lugar de “observadora” na ONU.

Por que é religiosa, militar e cavalheiresca?

O título original, desde o fim do século XI, era Ordem do Hospital de São João em Jerusalém, o que também explica qual era a sua tarefa inicial: a de acompanhar as Cruzadas, a partir de Jerusalém, organizando hospitais. Os membros da ordem eram religiosos e cavaleiros. Militares, porque eram cavaleiros armados com espadas. Religiosos, porque faziam votos de castidade, pobreza e obediência.

Quais são as principais atividades? E como ela as financia?

Gerir hospitais, centros médicos, ambulatórios, instituições para idosos e deficientes, em uma centena de países do mundo. Oferecer assistência às vítimas de lepra. Embora o orçamento da ordem não seja público, pensa-se que o financiamento provém de membros e de doações privadas, além das atividades médicas. Eles também são apoiados pela Comissão Europeia e por organizações internacionais.

Como se faz parte dela?

Só sob cooptação. Os membros devem responder a requisitos de moralidade e de religiosidade (fé católica). Oficialmente, não devem mais – como acontecia no passado – dar prova de ter origens nobres, mas, de fato, grande número as tem.

Existe uma ligação entre a Ordem de Malta e os Templários?

Sim, patrimonial e econômica: em 1314, a Ordem dos Templários foi dissolvida, e grande parte das suas propriedades foi conferida aos Hospitalários, precursores dos Cavaleiros de Malta.

Pode nos contar alguma curiosidade? Por exemplo: é verdade que eles licenciam os carros com placas próprias?

Um episódio rocambolesco diz respeito a Caravaggio, que, condenado à morte, conseguiu refugiar-se em Malta em 1607, graças ao Grão-Mestre da ordem. As placas? Tendo sido reconhecido como Estado, as autoridades dos Cavaleiros dispõem de placas próprias: a sigla final é “XA”.

Leia mais:

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Cavaleiros de Malta: "Uma ordem militar poderosa e misteriosa". Entrevista com Agostino Paravicini Bagliani - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV