Grupos LGBT são contra o veto de homossexuais ao sacerdócio

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS
  • “A capacidade de constituição de novos horizontes da esquerda brasileira, hoje, é nula”. Entrevista com Vladimir Safatle

    LER MAIS
  • Depressão vertiginosa que o Brasil atravessa também é herança da esquerda, diz Le Monde

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

12 Dezembro 2016

“O Papa Francisco tem muito a explicar”. Francis DeBernardo, diretor executivo da organização católica LGBT New Ways Ministry (Ministério das Novas Formas), reagiu dessa maneira ao decreto que atualizou as normas para a formação sacerdotal, de acordo com o qual “não se pode admitir aqueles que praticam a homossexualidade” ou apoiam a “cultura gay”.

A reportagem é publicada por Religión Digital, 11-12-2016. A tradução é de André Langer.

“A aprovação desse texto [por parte de Francisco] é uma grande desilusão para muitas pessoas, lésbicas, gays, bissexuais, pessoas transgêneros e heterossexuais, que depositavam grandes esperanças em seu pontificado”, disse DeBernardo.

Ele se referia ao decreto que atualiza as Normas Básicas para a Formação Sacerdotal (Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis), que foi publicado na quinta-feira passada pelo jornal oficial da Igreja católica. O documento ratifica um diretório redigido há 31 anos, no qual são reunidas outras comunicações da Santa Sé relativas às restrições sobre a sexualidade.

Estabelece que “a Igreja, embora respeitando as pessoas em questão, não pode admitir no seminário nem nas ordens sagradas aqueles que praticam a homossexualidade, apresentam tendências homossexuais profundamente enraizadas ou apoiam a chamada cultura gay”. Também ressalta a importância da continência na formação dos candidatos para serem ordenados. “Seria imprudente admitir um seminarista que não tenha alcançado uma afetividade madura, serena e livre, casta e fiel ao celibato”, adverte.

O texto aprovado por Francisco tem um acréscimo. Permite uma exceção em relação às “tendências homossexuais que sejam expressão de um problema transitório”. Dá-se como exemplo “uma adolescência ainda não concluída”.

DeBernardo não foi o único a criticar o Papa. Também o fez Marianne Duddy-Burke, da DignityUSA (Dignidade Estados Unidos), outra organização católica que promove os direitos LGBT. Para ela, o decreto foi “extremamente decepcionante” e o tomou como “um tremendo insulto” aos milhares de homossexuais que servem como sacerdotes católicos.

“Não é o que se esperava do Papa que disse ‘Quem sou eu para julgar?’”, acrescentou.

David Clohessy, que pertence à Rede de Sobreviventes de Abusos de Sacerdotes (SNAP, na sigla em inglês), disse que estão usando os homossexuais como bodes expiatórios em vez de proteger realmente as crianças dos abusos. “É um erro assumir ou afirmar que a maioria das vítimas são varões”, disse.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Grupos LGBT são contra o veto de homossexuais ao sacerdócio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV