Padre irlandês adverte sobre depressão entre clérigos sobrecarregados de trabalho

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Papa aprovará padres casados na Amazônia, afirma teólogo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Dezembro 2016

A carga de trabalho crescente dos padres irlandeses está ameaçando transformar este grupo envelhecido, desmoralizado e em declínio em “máquinas de distribuição de sacramentos”, que consideram o trabalho pastoral cada vez menos satisfatório, advertiu um dos fundadores de uma associação irlandesa de padres.

A reportagem é de Sarah Mac Donald, publicada por National Catholic Reporter, 01-12-2016. A tradução é de Isaque Gomes Correa.

Em seu discurso à assembleia geral anual da associação em Athlone, no dia 16 de novembro, o Pe. Brendan Hoban destacou como a prática do suicídio está em ascensão entre os sacerdotes irlandeses – grupo que, segundo ele, está também cada vez mais propenso à depressão.

Com a grande maioria dos sacerdotes irlandeses com 70 anos de idade ou mais, os padres diocesanos idosos vivem vidas cada vez mais isoladas e solitárias e são constantemente lembrados de que “nós já não importamos, que hoje somos, na melhor das hipóteses, um pouco mais do que uma presença cerimonial nas margens da vida”, disse ele.

O pároco de 68 anos disse que, embora “nos sintamos tendo dado o nosso melhor para levar a boa nova”, uma “avalanche de críticas na imprensa” fez com que eles fossem “ritualmente apresentados como pessoas más, controladoras, opressoras, limitadoras, obsessivas”.

Mais de 150 dos 1.000 padres membros que a Associação dos Padres (Association of Catholic Priests – ACP) representa ouviram Hoban explicar como a “implosão da nossa Igreja”, na esteira dos escândalos de abuso, os fizeram perceber que são, nas palavras do padre autor Donald Cozzens, “os últimos padres na Irlanda”.

Estatísticas assustadoras foram citadas pelo palestrante, tais como a situação de duas “dioceses muito prestigiadas na Irlanda, a de Dublin e a de Killala”, em que em cada uma delas temos apenas um padre diocesano com menos de 40 anos de idade. Em 20 anos, ambas as dioceses terão um, ou talvez uns poucos, padres com menos de 60 anos para dar conta de 199 paróquias em Dublin e 22 paróquias rurais na região de Killala.

Reconhecendo que o sacerdócio diocesano na Irlanda é “uma tribo perdida”, Hoban disse que eles precisam encontrar uma voz e coragem para enunciar esta verdade.

“Na qualidade de os últimos sacerdotes na Irlanda, temos o direito à consideração, ao reconhecimento, ao apoio, incentivo e, sobretudo, respeito”, continou Hoban. “Os padres que têm servido à Igreja por tanto tempo merecem nada menos do que isso, e é chegada a hora de começar um diálogo sobre o assunto”.

Ao recordar os anos depois de sua ordenação em 1973, Hoban falou que as igrejas lotavam, havia muitos padres, paroquianos apoiadores, e a Igreja era uma “presença confidente, respeitada e influente na sociedade irlandesa”.

Hoje, entre essa coorte de clérigos envelhecidos existe uma “sensação crescente quase de desespero quando percebemos o quão pouco de cuidado, estima e afeto pode haver em nossas vidas”, observou.

Ele também destacou como muitos padres estão lutando, no nível pastoral, com questões que vão além de sua formação e competência, como ministrar a pais de casais homoafetivos, responder a um convite para um casamento gay e o que significa um acompanhamento pastoral nessas situações.

Autor de livros como “Where Do We Go From Here? The Crisis in Irish Catholicism”, Hoban alertou que o nível de desconfiança entre os padres e bispos na Irlanda é tal que um acúmulo de ressentimento e raiva está cada vez mais evidente em algumas dioceses onde uns bispos estão usando o cargo para “forçar sua autoridade pessoal sobre os sacerdotes”.

A Associação dos Padres está em seu sexto ano de existência e já propôs várias vezes se reunir com os bispos irlandeses. Em maio passado, realizou-se o primeiro encontro oficial entre os representantes dos bispos e a direção da associação. Embora recentemente Dom Ray Browne, do condado de Kerry, escreveu à associação sobre as questões levantadas durante a reunião, de acordo com o padre censurado Tony Flannery, a carta era “claramente uma crítica encoberta à Associação”, na medida em que os bispos indicaram que continuariam a dialogar com os presidentes dos conselhos sacerdotais, mas não com a associação.

Flannery também criticou a carta de Browne por reduzir “o acompanhamento dos sacerdotes” a uma questão de “salvaguarda”.

“Será que eles não conseguem ver que a situação dos padres irlandeses é dramática e urgente?”, perguntou. Essa sua opinião é corroborada por Hoban, que alega que o fardo dos padres no país fica complicado com os bispos que desejam manipular o clero idoso postergando a aposentadora deles para além dos 75 anos.

A desconfiança entre os padres que atuam na base e as lideranças da Igreja irlandesa fica “exacerbada”, segundo Hoban, pela escolha das normas almejadas pelo núncio apostólico atual, Dom Charles Brown, que vêm resultado em escolhas “infelizes” e, às vezes, “bizarras” de bispos.

A política dos bispos, de automaticamente relatar às autoridades policiais qualquer acusação anônima de abuso infantil contra padres, foi redondamente condenada pelo líder da Associação dos Padres, que disse que a prática seria “impensável” e contaria com grande resistência se aplicada a professores, advogados, policiais ou qualquer outro grupo profissional.

“A reputação e a paz de espírito dos padres, me parece agora, podem ficar prejudicadas para sempre por alguém com uma queixa, um documento e um carimbo”, advertiu Hoban.

Em entrevista a uma rede de televisão nacional da Irlanda logo depois da reunião com representantes da associação, Brown, o núncio apostólico para a Irlanda, falou sobre a extensão do distanciamento da fé entre o povo irlandês.

Ele admitiu a Gay Byrne, apresentador do programa The Meaning of Life, que a “queda no número de vocações – especialmente para o sacerdócio – é um desafio enorme”.

No entanto, segundo ele o número de padres trabalhando hoje no país é “quase suficiente para as nossas necessidades”, embora muitos destes sacerdotes, reconheceu o entrevistado, estão na casa dos 70 anos.

“Portanto, em dez anos estaremos olhando para uma situação completamente diferente aqui”, disse ele acrescentando que “[a escassez sacerdotal] é um problema prático grande”.

Mas ele igualmente sublinhou que, em termos globais, desde o ano 2000 o número de padres no mundo está aumentando. “A cada ano temos mais e mais. Na Irlanda ou na França, não. Mas no geral, sim. Portanto, penso que precisamos reconhecer que um elemento nessa questão vai ser padres não irlandeses vindo para trabalhar no país”.

Sobre o tema do celibato obrigatório, Brown, natural de Nova York, defendeu o entendimento católico de um sacerdócio celibatário.

Entretanto, um outro membro da associação, o padre redentorista Gerry O’Connor, contou ao National Catholic Reporter que acredita que uma estratégia como aquela proposta por Brown, de importar padres, vai provavelmente ser “contraproducente e levará a um afastamento maior dos membros da Igreja”.

Ao descrever a missão como parte integrante da vida eclesial, ele disse que a associação vê problemas com a nomeação de sacerdotes estrangeiros sem nenhuma preparação ou orientação quanto à sociedade, à Igreja e à cultura irlandesas.

“Padres vindos do exterior são uma solução parcial, mas sem uma formação, uma preparação, um aprendizado e uma reflexão adequados, essa ideia trará mais problemas do que soluções”, disse o O’Connor. Isso seria o mesmo que “pôr curativos nas feridas da Igreja em vez de curá-las”, e seria um “outro ato de uma Igreja que não ouve os seus membros e apoiadores”.

“O fato de os bispos e o núncio não quererem se envolver de um modo estruturado com a Associação dos Padres irlandeses é um símbolo de uma Igreja à deriva, de uma Igreja engessada, de uma Igreja em negação; é o símbolo de uma Igreja com 26 reinos, uma Igreja irlandesa em um caminho paralelo ao que o Papa Francisco tem falado a respeito. É um exemplo de uma Igreja apegada a uma visão eclesial que está em desacordo com o que o Papa Francisco está tentando construir”, prosseguiu.

Segundo ele, a associação propõe um sínodo nacional para a Igreja da Irlanda. O’Connor também explicou que, durante a assembleia geral do grupo, os membros se comprometeram em desenvolver um ministério leigo; acolher de volta ao ministério padres casados; abrir o sacerdócio a homens casados; e ter na Igreja um diaconato feminino.

“Todas essas ideias são soluções práticas e realizáveis diante da crise atual e da sobrecarga de trabalho”, disse.

Ainda de acordo com O’Connor, enquanto a sensação de isolamento não é tão aguda entre os padres das ordens religiosas assim como é entre os padres diocesanos, os “religiosos estão tão confusos e desmoralizados quanto estão os padres diocesanos sobre como ser um padre no mundo moderno, e sentem o desprezo e o ridículo de uma perspectiva secular que permeia a Irlanda nos dias de hoje”.

“A depressão faz parte da vida vivida nas comunidades religiosas”, completou o padre. “A ausência de uma próxima geração de religiosos na maioria das congregações significa que a esperança e a energia estão em falta, e existe uma lacuna na teologia e na eclesiologia entre muitos dos recrutas mais novos e as gerações mais velhas, com a geração mais avançada percebendo que a Igreja irá se mover para o passado ao invés de abraçar, com coragem, um futuro incerto”.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Padre irlandês adverte sobre depressão entre clérigos sobrecarregados de trabalho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV