'Problemas de relacionamento' matam ambientalistas, diz ministro da Agricultura

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Quem são e onde estão os pobres do mundo

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS
  • Programa ‘Future-se’ cria instabilidade financeira nas universidades, alerta Renato Janine Ribeiro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

18 Novembro 2016

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP-RS), tornou-se o centro das atenções da delegação brasileira desde que chegou na Conferência da ONU sobre o Clima (COP22), na última terça (15).

A reportagem é de Ana Carolina Amaral, publicada por Folha de S. Paulo, 18-11-2016.

Em sua sequência de declarações que desagradou entidades ligadas ao clima, o ministro afirmou que "a agricultura brasileira é a mais sustentável do mundo, todos os rios são protegidos por uma legislação. Mas, mais que a legislação, são protegidos pela consciência dos produtores brasileiros".

Em outra ocasião, questionou quem iria pagar a conta da proteção ambiental nas propriedades rurais brasileiras –estimadas em US$ 40 bilhões. As mudanças vão desde controle do desmatamento até troca de fertilizantes.

Mas a afirmação que mais gerou repercussão foi a que atribuiu assassinatos de ambientalistas e mortes em conflitos de terra a "problemas de relacionamento". "Quando você vai no cerne da questão, vai ver que tem problema de relacionamento de pessoas de determinados lugares e que não podem ser computados nesta questão", disse ele na quarta (16).

A resposta das organizações brasileiras que acompanham a COP aconteceu nesta quinta (17). Em carta lida em evento da Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura e entregue ao ministro no final do dia, o secretário-executivo do Observatório do Clima, Carlos Rittl, relembrou e respondeu cada uma das frases.

Rittl disse que o Cadastro Ambiental Rural, instrumento previsto no novo Código Florestal, ainda não está funcionando para monitorar a "consciência" dos produtores.

A carta ainda afirma que para haver o dinheiro necessário à agropecuária de baixo carbono, "bastaria que os produtores rurais pagassem suas dívidas" com o Plano Safra, que em 2016 destinou R$ 202 bilhões ao financiamento do setor, cuja inadimplência histórica média é de cerca de 5%.

Sobre a declaração de Maggi a respeito de mortes no campo, a carta cita dados da ONG Global Witness de que um terço das 150 mortes de ambientalistas em 2016 aconteceram no Brasil, a maioria delas na Amazônia.

"Olha que boa notícia, 150 mortes, morreram 50 ambientalistas a menos; ontem não falavam em 200?", respondeu o ministro, que convidou o Observatório do Clima a debater as questões em seu gabinete na volta ao Brasil, mas não fez ressalvas sobre suas declarações.

Para Rittl, "afirmar que esses óbitos se devem a 'problemas de relacionamento' pode ser comparado ao negacionismo climático expresso pelo presidente eleito dos EUA, como quando disse que o aquecimento global é invenção dos chineses para tornar a indústria do EUA menos competitiva."

Sobre os US$ 40 bilhões para as mudanças na agricultura, o ministro foi lembrado pela reportagem que as metas brasileiras do Acordo de Paris são "incondicionais". "Não contem com [a verba do] Ministério da Agricultura", respondeu.

No mesmo evento, Maggi levou um puxão de orelha da diretora de agricultura do Banco Mundial, Ethel Sennhauser. "A partir de 2020, a transição no setor energético para tecnologias de baixo carbono fará com que o setor da agricultura seja apontado como o maior contribuinte para as mudanças climáticas", apontou Sennhauser.

Presente

Para os ambientalistas, as afirmações de Maggi, que também é um dos maiores produtores de soja do mundo, formam um conjunto de "pérolas". Para simbolizar a indignação com que receberam as declarações do ministro, jovens brasileiros da ONG Engajamundo entregaram a ele um colar de pérolas no fim da conferência.

Questionado sobre o presente, Maggi respondeu que não entendeu o porquê da brincadeira, mas que repassaria o colar para sua filha.

Leia mais

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

'Problemas de relacionamento' matam ambientalistas, diz ministro da Agricultura - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV