Caso dos 43 estudantes desaparecidos no México segue impune após dois anos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Igreja Universal cria seu exército particular com "recrutamento" de PMs

    LER MAIS
  • A semana em que 47 povos indígenas brasileiros se uniram por um manifesto anti-genocídio

    LER MAIS
  • “Do fundo do nosso coração” é um “de profundis”. Ou seja, o Concílio Vaticano II não é opcional

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: João Flores da Cunha | 28 Setembro 2016

No dia 26-09-2014, 43 estudantes desapareceram em Iguala, no estado de Guerrero, no México. O sumiço dos estudantes marcou o país e expôs a violência que domina o cotidiano dos mexicanos. Dois anos depois, a impunidade ainda ronda o caso, e o destino dos jovens é desconhecido.

Na tarde de 26-09-2016, as famílias dos estudantes e milhares de outras pessoas realizaram uma manifestação na Cidade do México em protesto pela impunidade. “Vivos os levaram, vivos os queremos”, era um dos cantos entoados pelos manifestantes.

As famílias e os manifestantes denunciaram a incapacidade do Estado mexicano de oferecer uma explicação para o desaparecimento dos estudantes. O governador do estado de Guerrero, Ángel Aguirre Rivero, renunciou ao cargo. O caso também provocou o início de uma trajetória descendente do presidente do país, Enrique Peña Nieto, que ostenta hoje os mais baixos índices de popularidade de um mandatário já registrados no país.

Recentemente, Tomás Zerón, o responsável no governo por investigar o caso, renunciou ao seu cargo de chefe da Agência de Investigação Criminal da Procuradoria Geral da República. Há suspeitas de que ele teria alterado provas e agido para acobertar o caso.

Os estudantes eram alunos de uma escola rural em Ayotzinapa e foram detidos pela polícia municipal de Iguala quando se dirigiam à capital do país para participar de uma manifestação. Não há clareza sobre o que ocorreu após esse fato.

De acordo com a investigação oficial, após serem sequestrados pela polícia municipal, os estudantes foram entregues para uma organização do narcotráfico local, que provavelmente os matou. Seus corpos teriam sido incinerados em um lixão, e as cinzas, lançadas em um rio. O prefeito de Iguala e sua mulher, que à época do crime lançava sua própria carreira política, foram responsabilizados pelo desaparecimento dos estudantes e estão presos.

No entanto, as famílias das vítimas e pesquisadores independentes jamais aceitaram a versão oficial, que não atribui responsabilidade a qualquer órgão federal de segurança. Há indícios de participação de dois policiais federais e de omissão de militares do Exército, que estava presente na região.

Pesquisadores independentes nunca encontraram indícios que sustentem a versão de que os corpos teriam sido queimados no local apontado pelo governo. Até hoje, foi encontrado o corpo de apenas um estudante. Ele tinha sinais de tortura.

Leia mais...

“O sonho do meu filho era ser professor para poder me ajudar”, confessa mãe de aluno desaparecido de Ayotzinapa

Iguala: As horas do extermínio

Familiares questionam versão do Estado que confirma morte dos 43 estudantes mexicanos

México. Peña Nieto em seu labirinto

Para Peña Nieto, mais perguntas que respostas

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Caso dos 43 estudantes desaparecidos no México segue impune após dois anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV