O Recife é metade roubado ao mar, metade à especulação

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • "Nunca, nunca encobrir a realidade. Dizer sempre: 'É assim'”. Papa Francisco recebe a redação da revista jesuíta Aggiornamenti Sociali

    LER MAIS
  • O aumento da pobreza na América Latina submergente

    LER MAIS
  • Um estranho casamento: neoliberalismo e nacionalismo de direita

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

31 Agosto 2016

Apesar do sol que brilha na maior parte do ano no Recife, em Boa Viagem a praia tem hora para mixar. Lá pelas três da tarde, no verão um pouco depois, quem domina é a sombra dos espigões.

O comentário é de Fabio Victor, jornalista, publicado por Folha de S. Paulo, 30-08-2016.

Eis o comentário.

Essa vergonha suscita em muitos nascidos na cidade um misto de respeito e inveja pela vizinha João Pessoa, que mantém limites a edificações na orla, criando uma praia mais viva e mais pública.

A poucos quilômetros de Boa Viagem, no cais de Santa Rita, há duas torres gêmeas que não são apenas horrorosas, mas foram construídas à força, em área protegida pelo patrimônio histórico e num processo cercado de denúncias de irregularidades.

São dois entre mil exemplos da derrota da cidade para a especulação imobiliária.

Parece questão de tempo que Brasília Teimosa, favela urbanizada na zona sul banhada pelo mar e riquíssima em história e cultura –que surge em "Aquarius" na festa na laje da empregada de Clara–, tenha derrubado seu status de zona especial (que a protege há anos da especulação) e vire um grande condomínio de bacana.

Kleber Mendonça Filho filmou "Aquarius" no edifício Oceania, um dos últimos remanescentes da primeira metade do século 20 da orla, com poucos andares e arquitetura menos agressiva. Para o roteiro, pensou no Caiçara, que foi demolido antes –e o jogo pesado enfrentado por moradores que chiaram até o fim foi laboratório do que se vê no longa.

O maniqueísmo algo incômodo de "Aquarius", portanto, tem como álibi o realismo: é tudo verdade.

Não é de espantar que na pré-estreia do filme no Recife, a exibição tenha se encerrado com coros do "Ocupe Estelita", movimento que virou referência nacional de ativismo urbano ao se insurgir contra mais uma aberração a rondar a cidade, a construção de um monstrengo com 13 torres sobre um cais histórico à beira da bacia do Pina –numa antiga área federal federal tornada privada a toque de caixa, que os ativistas exigem que seja de uso público.

Evocando a geografia de um Recife erguido sobre o mar e o mangue, o poeta Carlos Pena Filho escreveu que a cidade é "metade roubada ao mar, metade à imaginação". "Aquarius" permite um chiste triste: "metade roubada ao mar, metade à especulação".

Leia mais...

Equipo del filme "Aquarius" protestó en Cannes contra "golpe" en Brasil (IHU/Adital)

Ocupe Estelita e a “sociedade dos muros”

Ocupe Estelita e o novo ativismo

Cais Estelita: Quem vai conduzir o processo de ocupação do espaço urbano? Entrevista especial com Tomás Lapa

Cais Estelita. A luta por um projeto que garanta a diversidade de usos. Entrevista especial com Tomás Lapa

O Ocupe Estelita e a “nova política"

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Recife é metade roubado ao mar, metade à especulação - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV