Igreja: «Pensamento liberal não é o nosso» - Papa Francisco

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • Embaixada da Suécia desmente fakenews de 'padre bélico'

    LER MAIS
  • “Este Papa está suportando a resistência do clericalismo fanático, que não suporta a transparência”. Artigo de José María Castillo

    LER MAIS
  • A Igreja ‘salviniana’ não recua e volta a ameaçar o cisma

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

29 Agosto 2016

Encontro com sacerdotes jesuítas alertou para tentação de usar critérios rígidos em vez de discernir situações

O Papa Francisco rejeitou a ligação da Doutrina Social da Igreja a um “pensamento liberal” centrado no dinheiro e disse que os padres devem promover o discernimento em vez de usar critérios rígidos.

A reportagem é publicada por Agência Ecclesia, 25-08-2016.

“O pensamento liberal, que retira o homem do centro e ali coloca o dinheiro, não é o nosso. A doutrina da Igreja é clara e é preciso avançar neste sentido”, referiu, durante um encontro privado com jesuítas, na Polónia.

A reunião decorreu a 30 de julho, à margem da Jornada Mundial da Juventude de Cracóvia, e foi hoje divulgada na mais recente edição da revista ‘La Civiltà Cattolica’.

“Deve ser sempre dada uma atenção particular aos marginalizados, à defesa dos que têm mais necessidade de ser protegidos”, sustentou Francisco.

“Isto, que fique claro, não é ser comunistas, é simplesmente estar verdadeiramente envolvidos com a realidade”, acrescentou.

O Papa sublinhou, a este respeito, a importâncias das universidades, em particular as dos jesuítas, pedindo que estejam ligada à realidade que as rodeia, “manifestando o pensamento social da Igreja”.

No encontro de 40 minutos, Francisco recomendou a promoção da “sabedoria do discernimento”.

“A Igreja tem hoje necessidade de crescer na capacidade de discernimento espiritual”, defendeu.

O Papa referiu que alguns planos de formação sacerdotal têm o risco de apresentar “ideais demasiado claras e distintas”, com limites e critérios “definidos a priori, rigidamente”, sem olhar para as situações “concretas”.

“É preciso verdadeiramente perceber isto: na vida nem tudo é preto ou branco. Não, na vida prevalecem os tons de cinza”, observou.

Francisco espera que os membros da Igreja consigam “crescer no discernimento, na capacidade de discernir”.

“É preciso formar os futuros sacerdotes, não para ideias gerais e abstratas que são claras e distintas, mas para este discernimento do espírito, para que possam realmente ajudar as pessoas na sua vida concreta”, acrescentou

Leia mais...

“O liberalismo se configura como um novo totalitarismo”

O fascismo liberal do século XXI. Revista IHU On-Line, n° 449

Grupo de estudantes universitários promove pensamento liberal

O papa, os pobres e as acusações de comunismo. Artigo de Franco Garelli

''Cuidar de quem é pobre não é comunismo, é Evangelho.'' Entrevista com o Papa Francisco

O Papa Francisco é socialista?

Papa Francisco a jesuítas poloneses: nem tudo é preto no branco

Seria o papa Francisco comunista?

Em Cracóvia a JMJ 2.0 com o Papa Francisco

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Igreja: «Pensamento liberal não é o nosso» - Papa Francisco - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV