O rei do Marrocos: frente comum contra o fanatismo jihadista

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Agosto 2016

O rei do Marrocos convida muçulmanos, cristãos e judeus para enfrentar juntos o “fanatismo e o ódio”. São palavras significativas ditas pelo soberano Mohamed VI ao país, dirigindo-se especialmente aos cinco milhões de marroquinos que vivem no exterior. “Diante da proliferação da difusão do obscurantismo em nome da religião, todos os muçulmanos, cristãos e judeus devem construir uma frente comum para enfrentar o fanatismo, o ódio e o isolamento em todas as formas”, disse o rei.

A reportagem é Luis Badilla e publicada por Vatican Insider, 22-08-2016. A tradução é de André Langer.

Mohamed VI pediu aos seus concidadãos para serem pacientes, apoiarem a paz e viverem em harmonia com os outros. Pediu, além disso, para “manter o empenho sobre os valores de sua religião, assim como em suas antigas tradições”: esta é a melhor resposta para o fenômeno jihadista “alheio a eles”.

“Condenamos com veemência o assassinato de pessoas inocentes”, disse o rei do Marrocos, fazendo alusão à morte do idoso padre francês decapitado em sua igreja, qualificando como uma “loucura imperdoável” o assassinato “de um padre em uma igreja”. “Aqueles que incitam ao homicídio e à agressão” servindo-se do Corão “não são muçulmanos”, disse Mohamed. “Os terroristas que agem em nome do Islã são indivíduos equivocados, condenados ao inferno para sempre”.

O rei observou que o jihadismo “explora alguns jovens muçulmanos, especialmente na Europa, aproveitando-se de sua ignorância da língua árabe e do verdadeiro Islã, para transmitir-lhes mensagens e promessas falsas e equivocadas”. O monarca do Marrocos não esqueceu as responsabilidades de “muitos grupos e instituições islâmicas” que pretendem representar “o verdadeiro Islã” promovendo a “difusão de uma ideologia extremista”.

O discurso do soberano marroquino é feito pouco depois da divulgação do texto de uma carta dirigida a Francisco pelo Grão Aiatolá iraniano Makarem Shirazi di Qom, com a qual o expoente islâmico xiita agradece ao Pontífice as palavras usadas durante a sua recente viagem à Polônia a propósito do terrorismo. O Papa negou-se a identificar a violência fundamentalista com a religião islâmica.

É interessante destacar como Shirazi, na carta, considera importante a tomada de posição dos líderes religiosos de todo o mundo contra qualquer violação da dignidade das pessoas, em especial aquelas levadas a cabo em nome da religião. E recorda ter condenado o assassinato do padre Hamel definindo-o como “um violento ataque terrorista” utilizando a palavra “takfir”, que para o Islã é sinônimo de máxima falta de piedade. Com realismo, o aiatolá Makarem Shirazi recorda que os grupos jihadistas ainda não foram destruídos porque são apoiados por “potências arrogantes”. Uma maneira para recordar o papel daqueles que financiaram e apoiaram os grupos terroristas com finalidades políticas e econômicas, explorando-os como aliados úteis nas guerras, para depois dar-se conta de ter criado monstros incontroláveis.

E, novamente, hoje, durante o Meeting de Rímini, o grande mufti da Croácia, Aziz Hasanovic, observou que quem mata inocentes, sobretudo judeus e cristãos, porque pertencem às três grandes religiões monoteístas, “não é muçulmano”, porque o Corão diz que se deve fazer o contrário.

O verdadeiro problema para Hasanovic, que recentemente se reuniu com o Papa Francisco, “é a ignorância e a generalização”. Porque, explica, “o terrorismo é a consequência da ignorância e da manipulação do ensinamento do Corão, do doutrinamento sectário. O Corão diz que matar um inocente é como matar o mundo inteiro”.

Três tomadas de posição que se somam à expressada por Al Azhar e à iniciativa dos muçulmanos que, na França e na Itália, manifestaram sua solidariedade com os cristãos após o bárbaro homicídio do padre Hamel.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O rei do Marrocos: frente comum contra o fanatismo jihadista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV