Freira que ajuda mulheres trans é ameaçada na Argentina

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Mas Francisco está sozinho, como diz Marco Politi? Um valioso livro de análise do pontificado. De qualquer forma, Francisco deu início a um novo curso na Igreja

    LER MAIS
  • Cardeal peruano defende agenda do Sínodo amazônico após ataques de Müller e Brandmüller

    LER MAIS
  • Padilha: suspensão de programa de medicamentos gratuitos coloca vidas e empregos em risco

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Agosto 2016

A irmã Mónica Astorga, reconhecida em nível nacional e internacional por resgatar mulheres transexuais dos vícios e da prostituição, em Neuquén, Argentina, desde que participou de uma entrevista na televisão, na qual contou sua experiência com este grupo, começou a receber ameaças em sua conta no Facebook.

 
Fonte: http://goo.gl/iJMKI1  

A reportagem é publicada por Religión Digital, 12-08-2016. A tradução é do Cepat.

Mónica Astorga pertence ao Mosteiro das Carmelitas Descalças de Centenario, localizado a poucos quilômetros da cidade de Neuquén, onde há 10 anos se dedica a ajudar quem a procura em busca de apoio por causa das situações de marginalização e violência.

Em conversa com Télam, o titular da Direção de Diversidade da província de Neuquén, Adrián Urrutia, explicou que “o ocorrido com a irmã Mónica fala às claras que dentro de instituições como a Igreja Católica são geradas tensões frente a determinados temas, como a diversidade sexual”.

Urrutia ressaltou que “há setores fundamentalistas minoritários que, diante do avanço cada vez mais contundente da igualdade na Argentina e no mundo, estão dando seus últimos golpes de afogados, a partir destes setores reacionários”.

“O mundo seria um lugar muito mais justo se existissem mais religiosas como a irmã Mónica Astorga, que há tempo vem sendo objeto de denúncias anônimas, críticas no Facebook e ameaças por ajudar pessoas transexuais, a quem certo setor da sociedade e da Igreja deixam situadas nas periferias existenciais”, apontou Urrutia.

Antes de fechar sua conta no Facebook, a religiosa convocou aqueles que a ameaçam a conversar pessoalmente: “Estou tranquila, sei que não é fora de lugar receber estas mulheres, reunir-me para rezar com elas, atendê-las e buscar uma saída de trabalho”.

Além disso, em declarações ao La Mañana, de Neuquén, a freira destacou que o Papa Francisco conhece a situação e que recebeu o apoio de sua comunidade.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Freira que ajuda mulheres trans é ameaçada na Argentina - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV