“Eu marcho com vocês, pela paz”. Artigo de Adolfo Pérez Esquivel

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

08 Agosto 2016

“À vista de todos, este governo neoliberal lançou seus tarifaços, privilegiando o capital financeiro em detrimento da vida do povo, algo realmente muito grave, porque a população percebe isso em todos os níveis, especialmente nas periferias do interior, onde a desigualdade se aprofunda”, escreve Adolfo Pérez Esquivel, em artigo publicado por Alainet, 04-08-2016. A tradução é de André Langer.

E o Prêmio Nobel da Paz acrescenta: “Por tudo isso, entendo que a mobilização do próximo domingo, 07 de agosto, será como um caleidoscópio: dependendo de como se mover, a realidade social, cultural e política poderá transformar-se. Por tudo isso, não se pode faltar. Por tudo isso, eu não vou faltar”.

Eis o artigo.

Logo, dentro de poucas horas, muita gente fará aumentar as intermináveis filas na frente da igreja, para pedir ajuda a São Caetano, com a esperança de alcançar uma vida digna, quando a situação social e política melhorar. No entanto, a realidade nos indica que a pobreza está aumentando, quase tão rápido como as demissões, enquanto avança um processo inflacionário galopante, que torna impossível manter as necessidades básicas de milhões de pessoas.

À vista de todos, este governo neoliberal lançou seus tarifaços, privilegiando o capital financeiro em detrimento da vida do povo, algo realmente muito grave, porque a população percebe isso em todos os níveis, especialmente nas periferias do interior, onde a desigualdade se aprofunda. Pois bem, Macri foi eleito como corresponde, ou seja, dentro de um exercício democrático, mas guarda, porque a democracia não consiste somente em votar. Não devemos confundir: democracia significa igualdade perante os direitos. E, hoje, isso não existe.

Então, como não marchar neste domingo junto com os Trabalhadores da Economia Popular, se há meninos vivendo em situação de rua? Como faltar, se a pobreza se espalha e acompanhada de repressão? Como não gritar pela paz, frente a um panorama tão angustiante? Como não solicitar ao governo para que se coloque a serviço do povo e não das grandes empresas, se foi precisamente esta condução a responsável pelo levantamento das retenções às mineradoras e ao campo, às sombras do tarifaço? Que receberão uma herança difícil? Sim, é verdade, mas devem superá-la: eles assumiram essa responsabilidade.

Muitas vezes, a paz pode ser confundida com a passividade. E não há coisa mais contrária. A paz tem a ver com aprender a viver a diversidade, porque aí mora a riqueza dos povos, mesmo quando tratam de nos impor a uniformidade. Assim como acontece com a monocultura da soja, jogando por terra a biodiversidade com agrotóxicos como o glifosato, no monocultivo das mentes também jogam o tóxico das propagandas, desde os meios de comunicação de massa e das estruturas governamentais que necessitam de nós como passivos, aguardando inocentemente um “derrame” que não chegou, nem nunca chegará.

Por tudo isso, entendo que a mobilização do próximo domingo, 07 de agosto, será como um caleidoscópio: dependendo de como se mover, a realidade social, cultural e política poderá transformar-se. Por tudo isso, não se pode faltar. Por tudo isso, eu não vou faltar.

Só caminhando juntos, poderemos alcançar a paz.

Adolfo Pérez Esquivel

Nobel da Paz

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Eu marcho com vocês, pela paz”. Artigo de Adolfo Pérez Esquivel - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV