Universidade de Notre Dame nega hospedagem para estudante transgênero

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não seremos salvos pelo moralismo, mas pela caridade”. Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A contagem regressiva para a próxima pandemia

    LER MAIS
  • Carta de alerta a todas as autoridades políticas e sanitárias brasileiras sobre a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


27 Julho 2016

A Universidade de Notre Dame supostamente não teria fornecido hospedagem a uma estudante transgênero. Trata-se do mais recente incidente enquanto muitas faculdades e universidades católicas lidam com as questões de identidade de gênero.

A reportagem é de Bob Shine, publicada no blog Bondings 2.0, do grupo estadunidense New Ways Ministry, voltado à comunidade católica LGBT, 24-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Ronan Farrow, do Today Show, da NBC, informou em junho sobre Eve, uma estudante transexual da Notre Dame. Eve, que acaba de terminar o seu terceiro ano na instituição de South Bend, Indiana, começou sua transição na faculdade. Esse passo positivo na sua vida dificultou sua estada no campus, no que se refere a moradia, banheiros e outras questões.

Em relação à hospedagem, a Notre Dame tem apenas dormitórios para pessoas do mesmo sexo. O telejornal afirmou que a universidade não apoiou Eve enquanto ela se mudava do dormitório masculino no qual ela estava vivendo para um dormitório feminino.

Eve disse em 2015 que, na sua maior parte, outros residentes se referem a ela pelo seu nome novo e tratam-na "exatamente como antes". Mesmo assim, o dormitório masculino não é ideal para ela. Seu ex-assistente residente disse que a compaixão é a prioridade de muitas pessoas. Mesmo assim, alguns residentes foram ao seu encontro com questões sobre uma mulher que morava no seu dormitório. Alguns viam Eve simplesmente como um homem vestido de mulher que estava vivendo no seu dormitório. Quanto à resposta da administração, Eve contou à NBC:

"Eu acho, sinceramente, que a universidade está esperando que, assim que eu for embora, ninguém jamais vai tentar isso de novo."

A mãe de Eve, Teresa, assim como muitos pais de filhos LGBT, disse que ela simplesmente quer "o que é melhor" para a sua filha. E um dormitório feminino seria significativamente mais seguro.

A segurança é uma questão, também, quando se trata do uso de banheiros. Eve declarou: "Sinto-me mais segura ao usar o banheiro feminino". Mas o fato de começar a usar banheiros femininos foi "muito assustador", disse ela à NBC, porque, se ela for denunciada, ela pode ser expulsa. Mas, disse Eve, "as pessoas nem sequer consideram a segurança dos indivíduos" transexuais.

Eve disse que a socialização é incrivelmente difícil e, sem nenhum sistema de apoio no campus, ela teve depressão. Ela disse à NBC em 2015 que "ser trans é uma pequena parte de quem eu sou" e há muito mais na sua vida.

Eve entrará no seu último ano nos próximos meses, terminando sua licenciatura em matemática e aspirando a ser professora. Depois que repetidos pedidos por uma moradia mais segura foram ignorados, ela passará a viver fora do campus. De acordo com a NBC, empregados da Notre Dame se recusaram a comentar, o que o apresentador Matt Lauer disse ter sido uma resposta surpreendente. Mas a Universidade de Notre Dame não é a primeira nem a única instituição católica que responde ao aumento da visibilidade e da conscientização transgêneras.

Um grande número de instituições católicas se recusam a apoiar estudantes LGBT e até mesmo se opõem a oferecer proteções para eles. Pelo menos cinco instituições católicas buscaram isenções religiosas das proteções federais Title IX, que proíbem a discriminação LGBT. Faculdades aprovados para tais isenções por parte do Departamento de Educação são o Belmont Abbey College, na Carolina do Norte; Universidade Franciscana de Steubenville, Ohio; St. Gregory’s University, Oklahoma; e John Paul the Great Catholic University, Califórnia. A Universidade de Dallas, Texas, tem um pedido pendente.

Do lado positivo, muitas instituições têm tentado apoiar proativamente os estudantes transexuais. Opções de hospedagem com neutralidade de gênero foram implementadas em algumas instituições, como o College of the Holy Cross, Massachusetts. Existem banheiros com neutralidade de gênero em algumas instituições, como a Fordham University, universidade jesuíta, Nova York. E a estudante transexual Lexi Dever disse que, embora a Igreja Católica quase a tenha matado, a Georgetown University a tinha salvado.

Uma maior consciência e mais proteções legais não significam que os problemas de identidade de gênero nos campi católicos vão desaparecer tão cedo. Empregados da educação não devem ignorar ou se opôr ao bem-estar dos estudantes transexuais. Todos os estudantes da educação católica merecem se sentir seguros, acolhidos e afirmados.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Universidade de Notre Dame nega hospedagem para estudante transgênero - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV