50% dos estoques de peixes em grandes ecossistemas marinhos, GEMs, são superexplorados

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - O colorido do amor no cinza da Shoá

Edição: 531

Leia mais

Missões jesuíticas. Mundos que se revelam e se transformam

Edição: 530

Leia mais

Nietzsche. Da moral de rebanho à reconstrução genealógica do pensar

Edição: 529

Leia mais

Mais Lidos

  • "Os jovens mudaram, e a escola não acompanhou". Entrevista com Miriam Abramovay

    LER MAIS
  • As tranças de Greta e a encíclica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • Morre Fernando de Brito, frade dominicano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

15 Julho 2016

Unesco lança nova base de dados globais sobre vida marinha; 50% dos estoques de peixes nos grandes ecossistemas marinhos são superexplorados; por ano, vida marinha contribui com US$ 28 trilhões para a economia global.

A reportagem é de Leda Letra, publicada por Rádio ONU, 14-07-2016.

A Unesco lançou esta quarta-feira uma base de dados sobre a vida marinha, com informações que podem ajudar na criação de políticas públicas para o setor.

Segundo a agência da ONU, 60% dos arrecifes de corais do mundo estão ameaçados por atividades locais. O índice pode subir para 90% até 2030 com a pressão que os arrecifes sofrem das atividades locais e da mudança climática.

Peixes

Cerca de 50% dos estoques de peixes em grandes ecossistemas marinhos, GEMs, são superexplorados. Existem 66 GEMs no mundo e nas últimas décadas, 64 apresentaram aquecimento dos oceanos.

Para a Comissão Oceanográfica Intergovernamental da Unesco, os novos dados são “alarmantes”.

Poluição

Além da mudança climática, a atividade humana também está impactando os oceanos de forma negativa, causando piora na saúde da vida marinha e declínio da produtividade devido à poluição e a peixes que não estão apropriados para a pesca.

As projeções são ainda mais negativas: a situação pode piorar de forma “desastrosa” entre 2030 e 2050, impactando o turismo e a economia. Por isso, os governos precisam ampliar a capacidade de conservação e do uso sustentável de mares e oceanos.

Os ecossistemas marinhos contribuem com US$ 28 trilhões ao ano para a economia global, com pescados, turismo, atividades recreativas e protegendo áreas costeiras de enchentes e erosão.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

50% dos estoques de peixes em grandes ecossistemas marinhos, GEMs, são superexplorados - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV