Pensar a intercomunhão na perspectiva de 2017. Artigo de Ghislain Lafont

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Uma análise de fundo a partir do golpe de Estado na Bolívia

    LER MAIS
  • Gregório Lutz e a reforma litúrgica no Brasil. Artigo de Andrea Grillo

    LER MAIS
  • Lula desequilibra o jogo. Craque é craque

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

07 Julho 2016

A intercomunhão, atualmente, é considerada e aplicada como um fim: comungaremos juntos quando se encontrar o acordo sobre a expressão da fé, dos costumes, da instituição da Igreja e quando se chegar ao fim das contendas que obscurecem a memória das Igrejas e pesam sobre o seu presente. Mas esse é um bom método?

O comentário é do teólogo e monge beneditino francês Ghislain Lafont, professor emérito de teologia da Pontifícia Universidade Gregoriana e Pontifício Ateneu Santo Anselmo, em Roma. O artigo foi publicado por Settimana News, 04-07-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

Um célebre Padre do deserto, Evágrio Pôntico, dava este conselho: "Se você tiver um problema com um irmão, convide-o para almoçar". Ao fazer isso, com efeito, dispomo-nos ao perdão, que facilita a reconciliação. Primeiro, tratamos a pessoa de modo honroso, "reconhecemo-la" porque a convidamos; depois, oferecemos a ela o alimento e, portanto – ao menos por essa refeição –, doamos a ela a vida, dizemos a ela, com esse gesto que a sua vida é preciosa.

Se o irmão aceitar o convite, significa que ele considera um encontro, por menor que seja, como uma possível etapa na relação. O contexto que, desse modo, virá se definir, vai ajudar a trocar algumas palavras com uma certa doçura. Será possível perceber que não é necessário estar de acordo sobre tudo e que é possível permitir, reciprocamente, divergências de avaliação ou de conduta, permanecendo, contudo, em comunhão.

Não podemos encontrar nesse conselho que brota da sabedoria dos Padres uma sugestão que diz respeito à unidade das Igrejas? A intercomunhão, atualmente, é considerada e aplicada como um fim: comungaremos juntos quando se encontrar o acordo sobre a expressão da fé, dos costumes, da instituição da Igreja e quando se chegar ao fim das contendas que obscurecem a memória das Igrejas e pesam sobre o seu presente. Mas esse é um bom método?

Passaram-se mais de 50 anos desde que o Patriarca Atenágoras e o Papa Paulo VI cancelaram as excomunhões recíprocas, então decretadas por Miguel Cerulário e pelo cardeal Humberto.

No entanto, continuamos não comungando na liturgia da outra Igreja; esperamos que se formulem acordos sob a autoridade do papa, por exemplo, ou que sejam reguladas situações que foram geradas no passado, como o caso das Igrejas uniatas.

Podemos nos perguntar se o processo inverso não seria, a médio ou longo prazo, mais eficaz: acima de tudo, porque envolveria pessoas reais em comunidades concretas, depois porque criar oportunamente um clima de comunhão que permitiria diálogos e perdões impossíveis enquanto permanecermos nas próprias posições.

Essa sequência (comunhão primeiro, discussão depois) talvez seja impossível atualmente com as Igrejas do Oriente. Elas pertencem, com efeito, a universo cultural há muito tempo diferente do nosso; os Padres gregos e os Padres latinos certamente já não tinham a mesma mentalidade, o que é manifesto sobretudo na diferença das liturgias. A sua própria identidade é dificilmente separável da história política em que o Ocidente cristão parecia culpado (saque de Constantinopla em 1204, falta de ajuda em Constantinopla contra o Islã em 1453, processo de latinização ou de catolicização por parte dos "latinos" nas terras do Oriente nos tempos modernos...).

Mas não é o mesmo com as comunidades nascidas da Reforma: elas pertencem ao mesmo universo histórico e cultural das comunidades católicas, em última análise, o da Europa. As línguas e as referências culturais são as mesmas. As nossas discussões sobre a graça ocorrem à sombra de Agostinho; as questões do sacramento, da Eucaristia, do ministério nos estão animando desde a Idade Média; o contexto político (com o seu pano de fundo financeiro) era o mesmo: o imperador, o papa, os reis, os príncipes, os bispos e, por fim, o povo.

O grande evento que inaugurou a era contemporânea é, com efeito, comum a todos, embora se faça referência à Revolução "Francesa". O ecumenismo nasceu, primeiro, entre nós: depois de nos termos exposto violentamente, começamos a nos perguntar como remediar as separações, e foi feito um caminho nada mau para nos aproximarmos.

Por isso, eu me pergunto se a comemoração do quinto centenário da Reforma não deveria se centrar na interrogação: como fazer a comunhão juntos em 2017? E esperamos a resposta da parte católica antes que da protestante: da parte desta última, com efeito, o convite já chegou.

Em termos claros, a questão se coloca da seguinte forma: os católicos, com base nos desenvolvimentos do Vaticano II sobre a Igreja e sobre a liturgia, não poderiam rever a sua dupla recusa: tanto de convidar a Reforma para a Santa Mesa, quanto de responder ao convite da Reforma da Santa Ceia? E as comunidades protestantes não poderiam se interrogar sobre o que, junto delas, obstaculiza uma resposta católica positiva à sua mesa aberta?

Mais uma vez, eu não penso que a resposta a essas interrogações deve envolver um acordo completo sobre as divergências, mas apenas o mínimo indispensável para uma comunhão litúrgica autêntica. E em que consiste esse mínimo?

Estamos todos de acordo sobre a obediência à Escritura: esta nos narra a Última Ceia de Jesus com os seus discípulos e o seu mandamento de repeti-la (Mc 14, 22-24 e par.); por outro lado, ela atesta a obediência da primeira geração cristã a esse mandamento (1Cor 10, 16-17 e 11, 17-34).

Portanto, celebrando assim, colocamo-nos juntos nas pegadas de Jesus, e, acima de tudo, Ele se coloca nas nossas. E nos comprometemos a perseverar na oração, no diálogo teológico e na ação comum pela paz e pela justiça – o que está sendo feito frutuosamente há mais de 50 anos.

Talvez eu seja otimista ao fazer esses discursos. No entanto, no estado atual das coisas, acho que existem possibilidades e desejo que olhássemos para a oportunidade de 2017 nessa perspectiva.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Pensar a intercomunhão na perspectiva de 2017. Artigo de Ghislain Lafont - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV