Roraima. Mananciais de água potável estão em risco por causa de crimes ambientais

Revista ihu on-line

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Mais Lidos

  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Deveríamos chamar os padres de ''padres''?

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

24 Junho 2016

As constantes invasões a Áreas de Preservação Permanente (APP), que estão perto ou não de igarapés, sem estudo prévio ou autorização dos órgãos competentes, podem afetar gradativamente os rios Branco e o Cauamé, principais mananciais de água potável de Boa Vista. Ambos também servem como fonte de lazer para inúmeras famílias do Estado, como possuem parcela ambiental, agindo como termorreguladores das áreas urbanas.

A reportagem é de Ana Gabriela Gomes, publicada por Folha de Boa Vista e reproduzida por EcoDebate, 23-06-2016.

Segundo o professor do curso de Geologia e especialista em recursos hídricos da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Vladimir de Souza, os rios e igarapés têm funções essenciais para a temperatura da cidade. O rio Cauamé é o afluente do rio Branco, o principal de Boa Vista, e que corta vários municípios até o Sul do Estado.

Os bairros mais próximos de rios e igarapés que têm mata ciliar bem preservada possuem um clima diferenciado dos mais afastados. “Se uma invasão ou algum crime está sendo feito dentro de uma APP, a ação pode afetar a mata ciliar e, consequentemente, estar alterando o seguimento do rio. A partir da distância e profundidade que a atitude esteja sendo realizada, em época de cheia vai ocorrer algum problema”, analisou o especialista.

Os igarapés são as áreas mais afetadas por crimes ambientais. Conforme Vladimir de Souza, o Cauamé possui dois igarapés que deságuam diretamente nele: o Igarapé Frasco, que nasce na região da Base Aérea e passa ao lado do Pátio Roraima Shopping, no bairro Cauamé, zona Norte; e o Igarapé Caranã, que nasce no bairro Senador Hélio Campos, zona Oeste, e atravessa mais de dez bairros para desaguar no rio Cauamé, no bairro Caranã.

O rio Branco, por sua extensão, tem quatro igarapés urbanos que nele deságuam e que, em sua maioria, já possuem a nascente comprometida perante o desenvolvimento da cidade: o Igarapé Mirandinha, com nascente no Lago dos Americanos, no Parque Anauá, bairro dos Estados, zona Norte; o Igarapé Pricumã, que hoje possui a nascente parcialmente aterrada, no bairro Asa Branca, zona Oeste; o Igarapé Caxangá, que nascia próximo de onde está localizada a praça Ayrton Senna, no Centro; e o Igarapé Grande, que nasce próximo à área do bairro Senador Hélio Campos, na zona Oeste.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Roraima. Mananciais de água potável estão em risco por causa de crimes ambientais - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV