O Islã não temia o sexo. Agora, tem medo das mulheres. Artigo de Leïla Slimani

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • O psicanalista analisa o "vazio de sentido". "A técnica domina, a política não decide, os jovens consomem e ponto". Entrevista com Umberto Galimberti

    LER MAIS
  • ''Estamos vendo o início da era da barbárie climática.'' Entrevista com Naomi Klein

    LER MAIS
  • Necropolítica Bacurau

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Maio 2016

Hoje, em um mundo muçulmano que se sentiu humilhado, o espaço sexual torna-se o único espaço em que o homem pode exercer o seu domínio. Mas os direitos sexuais não deveriam ser vistos como secundários. Dispôr do próprio corpo como se quiser, levar uma vida sexual que seja desprovida de riscos, fonte de prazer e livre de qualquer coerção são necessidades fundamentais.

A opinião é da escritora e jornalista franco-marroquina Leïla Slimani, em artigo publicado no caderno La Lettura, do jornal Corriere della Sera, 08-05-2016. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis o texto.

O meu sexo não me pertence. Eu tinha 16 anos quando, pela primeira vez, pensei nisso. Pertencente ao meu pai, ao meu irmão. Um dia, vai pertencer ao meu marido. E, por toda a minha vida, Deus, o Estado, a multidão ainda terão um direito sobre ele.

Eu tinha 16 anos e vivia em Marrocos, onde nasci e cresci. Lá, o Código Penal prevê a prisão para aqueles que têm relações sexuais fora do casamento. Onde a homossexualidade é punida por um período que varia de seis meses a três anos de prisão, onde o aborto é ilegal, e onde uma pessoa casada culpada de adultério corre o risco da reclusão.

Todos os países muçulmanos não têm o mesmo corpus legislativo, e existem grandes diferenças entre o regime de quase apartheid da Arábia Saudita, em que as mulheres são reduzidas a objetos, e o da Turquia ou da Tunísia, em que elas são reconhecidas como cidadãs para todos os efeitos.

Mas, em toda a parte, reinam a mesma moral e a mesma hipocrisia. Em toda a parte, finge-se acreditar que os jovens não têm relações sexuais clandestinas. Nega-se a existência de concubinas, homossexuais, prostitutas. A juventude muçulmana e as mulheres, em particular, vivem a sua sexualidade em um clima de confusão e de angústia. Faz-se amor, mas secretamente, sem nunca falar a respeito. Algumas jovens aceitam a sodomia por medo de perder o hímen.

Muitas vezes, eu pensei que não é por acaso que Adèle, o personagem do meu romance Nel giardino dell’orco [No jardim do ogro] (Ed. Rizzoli), é uma mulher frustrada, que mente, que leva uma vida dupla. Do Egito ao Irã, passando pela Argélia, o casamento é o único espaço de sexualidade aceitável. Se a sociedade se mostra indulgente em relação ao corpo masculino, que deve poder gozar, à mulher tudo é proibido fora da vida conjugal. A mulher é objeto do gozo, mas nunca sujeito. Virgem ou esposa. Por toda a parte, vale o mesmo modelo.

A virgindade é um tema lancinante, sejam liberais ou não, religiosos ou não. Idealizada, mitificada, é um instrumento de coerção destinado a manter as mulheres em casa e a exercer sobre elas uma vigilância contínua. É objeto de uma preocupação coletiva, em vez de ser uma questão privada. Uma mulher que perde a virgindade fora do casamento desonra a família, clã, vilarejo; tornar-se uma marginalizada, uma criminosa.

O Isis, talvez, não empurrou até o horror essa funesta obsessão, prometendo aos mártires, como recompensa, jovens eternamente virgens, que nem uma relação sexual conseguiria deflorar?

Sobre a sexualidade das mulheres muçulmanas, porém, não é necessário pintar um quadro de cores foscas demais e sem nuances. Pois, se a lei e a moral são rígidas e pesadas, a condição das mulheres no mundo islâmico evoluiu consideravelmente nos últimos 50 anos.

E uma nova geração de mulheres tira vantagem da luta que as mais velhas levaram adiante pelo reconhecimento dos seus direitos, para ter acesso aos anticoncepcionais, aos cuidados médicos, à educação.

Nos centros urbanos, em Casablanca, no Cairo, em Beirute, há mulheres que vivem a sua vida com determinação. Financeiramente independentes, viajam, consomem e têm uma vida sexual. Claro, para muitas delas, o preço a pagar é alto.

De fato, como escrevia a socióloga marroquina Fatima Mernissi, em Rêve de femmes: "A ordem e a harmonia só existem quando cada grupo respeita as hudud, as fronteiras sagradas. Qualquer transgressão necessariamente provoca anarquia e desgraça".

As mulheres vivem uma luta interior dura, dilacerante, entre a vontade de se libertar da tirania do grupo e o temor de serem punidas por isso. Algumas delas chegam ao ponto de se reapropriar da religião muçulmana, tomada como refém pelo patriarcado dominante. As "feministas islâmicas" têm a ambição de voltar aos textos e demonstrar que o Islã não é mais misógino do que os outros monoteísmos. Elas repetem continuamente que, nos primeiros tempos do Islã, o sexo não era um tabu. O próprio Maomé foi um "guia sexual" para os seus companheiros. Alguns hadith, relatos, falam de contracepção e de orgasmo como prelúdio aos prazeres prometidos aos habitantes do Paraíso.

Do século IX ao XIII, a literatura e a arte eróticas se difundiram; o corpo feminino é elogiado, exaltado, descrito como fonte extrema de prazer. O célebre manual do xeique al-NafzawiO jardim perfumado, escrito no século XIV para um príncipe necessitado de conselhos eróticos, começa com bismillah, isto é, "em nome do Deus misericordioso".

Como parecem distantes os tempos em que o mundo muçulmano era conhecido pela sua sensualidade, e em que os cristãos achavam inconvenientes que Maomé ostentasse a sua felicidade conjugal e sexual.

A partir do século XIX, o declínio intelectual, político e econômico do mundo árabe andou de mãos dadas com uma visão mais puritana da sexualidade. Para os islamistas, a derrota do mundo árabe, que caiu sob o jugo ocidental, é em parte imputável à liberdade sexual que lá reinava.

Nos anos 1950, os nacionalistas, que se ocupavam da independência do seu país, defendiam a emancipação das mulheres muçulmanas. Que descobriam a cabeça, trabalhavam, estudavam.

No entanto, os novos líderes nunca exortaram à liberdade sexual das mulheres. Como se o corpo feminino permanecesse como uma fortaleza identitária. Atacar esses princípios fundamentais, a virgindade e o pudor feminino significava correr o risco de perder a própria identidade dos seus países.

As mulheres seriam traídas, por sua vez, pelos modernistas, que repetiam que não podiam ir muito rápido ou muito longe, e pelos islamistas, que consideravam a igualdade dos sexos como um prelúdio para a anomia.

Desde então, a mulher está trancada nos fantasmas de homens tornados impotentes pela dominação que sofrem. Para os salafistas, o Ocidente é um contramodelo: onde a transparência é exagerada, onde tudo se diz e tudo se vê, onde se faz amor sempre e em todo o lugar, e onde o corpo das mulheres não é mais objeto de pudor algum. Ceder a esse modelo significa correr o risco de afundar no caos.

Hoje, em um mundo muçulmano que se sentiu humilhado, o espaço sexual torna-se o único espaço em que o homem pode exercer o seu domínio. O corpo da mulher deve estar orgulhoso da identidade muçulmana. Através do seu corpo, mede-se a honra, a imagem, a virtude de um povo, de uma família, de um Estado.

As feministas muçulmanas temem – provavelmente com razão – ser acusadas de querer enganar a sociedade se militarem por uma libertação da sexualidade feminina. Consequentemente, concentram-se naquelas que, para elas, são as prioridades: a educação e a saúde.

Mas os direitos sexuais não deveriam ser vistos como secundários. Dispôr do próprio corpo como se quiser, levar uma vida sexual que seja desprovida de riscos, fonte de prazer e livre de qualquer coerção são necessidades fundamentais.

Estou completamente de acordo com Kamel Daoud quando ele diz que o mundo árabe vive uma situação de miséria sexual generalizada, particularmente para as mulheres, cujas exigências sexuais, se não têm como fim a reprodução, são simplesmente ignoradas. Mulheres que são submetidas ao imperativo da virgindade antes do casamento e, depois, à passividade. Mulheres cujo corpo é submetido a tal controle social que não podem ter plenamente o papel de cidadãs.

Sendo a tal ponto "sexualizada", exortada ao silêncio ou à expiação, a mulher é negada como indivíduo. É apenas esposa, filha, irmã, mãe. Resta inventar a mulher que não pertence a ninguém, que deve responder pelas suas ações apenas como um cidadão qualquer, e não em função do seu sexo. A mulher que possa se libertar da qa'ida, isto é, da norma, do costume admitido por todos. Uma mulher cujo sexo não pertença senão a si mesma.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Islã não temia o sexo. Agora, tem medo das mulheres. Artigo de Leïla Slimani - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV