“Narrarei Carlo Maria Martini e suas dúvidas”, afirma Ermanno Olmi, regista italiano

Revista ihu on-line

Metaverso. A experiência humana sob outros horizontes

Edição: 550

Leia mais

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Mais Lidos

  • Discernimentos depois da Primeira Assembleia Eclesial. Artigo de Paulo Suess

    LER MAIS
  • Paris, o Papa aceita a renúncia de Aupetit

    LER MAIS
  • Formação e espiritualidade do Ministro Extraordinário da Eucaristia

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Mai 2016

“Estou trabalhando num filme sobre o cardeal Martini que sentia o desconforto de uma Igreja não enquadrada no ritmo da época, atrasada 200 anos, se não 400, dizia ele. Uma Igreja necessitada de uma atualização. Porque as instituições religiosas estão com demasiada frequência atrás dos fiéis”. A afirmação é do regista Ermanno Olmi em Sou, o programa-entrevista de TV 2000, conduzido por Monica Mondo, percorrendo alguns episódios de sua vida privada e profissional.

A reportagem foi publicada por Vatican Insider, 29-04-2016. A tradução é de Benno Dischinger

Martini – observou Olmi – nos últimos instantes de sua vida, em sua última bênção aos colaboradores, teve a coragem de expressar a dúvida”. “A minha doença? – prosseguiu Olmi – É pesada, tantas vezes me toca contar os males que me aconteceram um a um, mas esta minha parte de sofrimento me faz entender qual seja o sofrimento daquele outro que tem problemas bem mais graves do que os meus. Acertar as contas com Deus? Não”. 

Filho de um ferroviário e de uma camponesa, Ermanno Olmi jamais renegou suas origens e na longa entrevista a TV2000 recordou assim o pai: “Quando meu pai morreu eu tinha 13 anos. Ele era um sadio socialista, como o eram os ferroviários daquele tempo, os quais representavam o progresso com justiça. Eu o recordo nos dois anos em que permaneceu sem trabalho porque jamais quis inscrever-se no partido fascista. Então, quando se ia procurar trabalho, te solicitavam a carteira do partido. E meu pai ficou dois anos sem trabalhar, tanto que recordo minha mãe que lhe dizia ‘mas te dá conta, que por uma ideia tua’. Não era uma ideia bizarra sua, era um ideal de dignidade”.

“Jamais encontrei o Papa Wojtyla – acrescentou Olmi – Quando dirigi o Jubileu, por exemplo, eu estava dentro de um pullman da televisão. Encontrei-me, não como Papa, com Roncalli. Depois Montini. E o nosso Papa pianista demissionário, Bento. Ele ficava feliz quando tocava, e também agora é feliz”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

“Narrarei Carlo Maria Martini e suas dúvidas”, afirma Ermanno Olmi, regista italiano - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV