[Esticadores de Horizontes] Justiça Restaurativa evita judicialização das juventudes (IHU/Adital)

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • 23 razões para participar da Greve Climática desta sexta-feira

    LER MAIS
  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • Cisma: uma noção que mudou ao longo dos séculos. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Maio 2016

O projeto de reportagem da Adital, 'Esticadores de Horizontes', traz nesta sexta-feira, 29 de abril, a repercussão junto ao poder público e à especialista sobre o tema da Justiça Juvenil Restaurativa, com foco na mediação de conflitos nas escolas. Tendo como base experiências concretas em Fortaleza, como a TDH apresentada na semana passada, a reportagem procede agora as escutas com o objetivo de saber como as políticas que envolvem a justiça restaurativa vêm sendo geridas e como podem impactar na redução da exclusão social e da violência que envolvem os jovens.

Veja as reportagens:

Mediação: Quando a conversa substitui o castigo
Somos todos responsáveis
Para além dos muros da escola
Justiça Juvenil Restaurativa: um convite a (re)conhecer o outro

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

[Esticadores de Horizontes] Justiça Restaurativa evita judicialização das juventudes (IHU/Adital) - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV