O Papa e a família: a novidade inesperada

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Se vocês se sentirem como eminências, estarão fora do caminho”. As palavras do Papa Francisco aos novos cardeais quando também condenou a corrupção na Igreja

    LER MAIS
  • Como viver o Advento em tempos de quarentena

    LER MAIS
  • A vacina vai nos ajudar, mas não vai nos livrar das pandemias

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


26 Abril 2016

“‘Amoris laetitia’ inova em questões fundamentais e capta os ‘sinais dos tempos’”.

“Uma das coisas que mais se repetem nestes dias e em determinados ambientes eclesiásticos é que a recente Exortação Apostólica “Amoris laetitia”, do Papa Francisco, não traz nada de novo, quando comparada com a “Familiaris consortio”, de São João Paulo II. Depois de tanto Sínodo e de tanto dar voltas no tema, chegamos à mesma. Ao que sempre foi ensinado na Igreja. Isso é realmente assim?”, escreve José María Castillo, teólogo, em artigo publicado no seu blog Teología Sin Censura, 24-04-2016. A tradução é de Evlyn Louise Zilch.

Eis o artigo.

O escritor José Antula publicou um estudo detalhado, “A verdadeira novidade do Amoris laetitia”, no qual explica documentadamente a novidade que é o conteúdo da recente Exortação do Papa Francisco. Seguindo em frente digo que concordo plenamente com o que disse José Artrila em sua recente escrita. E valeria a pena que as mentalidades mais rígidas e espiritualistas se concentrassem no que ensina o Papa Francisco quando fala, por exemplo, do “amor erótico” (nº. 150) e do amor como “paixão” (nº 148). Coisas que, aliás, muitas vezes não são ouvidas na retórica clerical.

Mas, acima de tudo, o impressionante é a insistência do Papa sobre o tema do amor mútuo, “amor de amizade” que iguala e une os cônjuges – e não na doutrina da Igreja ou de suas leis – como argumento transversal, que recorre toda a recente Exortação papal do início ao fim.

Pois bem, dado o que acabo de indicar, parece-me importante que aprendamos (ou nos demos conta) da novidade que envolve toda a aproximação da família, se este assunto é pensado a partir de dimensões que lhe são inerentes. Por exemplo, a dimensão histórica ou quanto afeta à sociologia a instituição familiar.

Explico-me. Se prestarmos atenção ao que dizem os sociólogos atualmente mais valorados, logo entendemos que a família é uma das instituições que está experimentando mudanças tão rápidas e tão profundas, que, na mesma família – isso é frequente – os avós não entendem os novos hábitos dos filhos e, ainda menos, dos netos.

Muitas pessoas não pensaram que a família tradicional era acima de tudo uma unidade económica. De maneira que, durante séculos, o casamento não acontecia na base do amor sexual. Era assim que se entendia (e se vivia) este assunto desde as origens do direito romano. Todos os direitos e todo o poder estavam concentrados nas Pater familias (Peter G. Stein). E assim ficamos, em coisas muito fundamentais, até pouco tempo. Daí que a desigualdade era intrínseca à família tradicional.

Nos últimos anos, tudo isso saltou pelos ares. E restam três pontos capitais, que estão substituindo os velhos laços que costumavam unir as vidas privadas das pessoas; as relações sexuais e românticas, relações entre pais e filhos e amizade. Daí que o centro da instituição familiar mudou: da família como “unidade econômica”, ao que foi justamente chamado de “relação pura” (Anthony Giddens). Mas o que é, definitivamente, essa “relação pura”? “A relação que se baseia na comunicação, de modo que compreender o ponto de vista de uma outra pessoa é essencial”.

Agora, se tudo isso é assim, e creio que por aí vão as coisas, se agora voltamos a nossa atenção para a Exortação do Papa Francisco, não temos que nos esforçar muito para advertir que o papa, sendo fiel à tradição da Igreja, bateu no prego do que está acontecendo na instituição familiar. E também no prego da solução que o estado tem de coisas em que vivemos.

Dito mais claramente: a solução dos problemas da família não vai estar em afirmar verdades rotundas. Tampouco virá pela submissão a regras totalmente rígidas que se quer. Não. Em nada disso está o problema. E, por conseguinte, em nada disso está a solução. A família recuperará a sua estabilidade, o seu equilíbrio e sua razão de ser, na medida em que o amor de amizade, que, na linguagem secular, pode ser chamado de "relação pura", ocupe o centro que, durante séculos, ocupou o Pater familias, como proprietário e fiador da unidade econômica que, de fato, foi a instituição familiar.

O Papa Francisco, não só tem inovado em questões muito fundamentais, em relação a são João Paulo II, mas também tem captado os "sinais dos tempos" muito melhor do que imaginam aqueles que se empenham para que tudo fique na mesma.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O Papa e a família: a novidade inesperada - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV