Com acordo, Europa começa a devolver migrantes à Turquia

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Santa Teresa de Jesus: inquieta, andarilha, desobediente e muito mais...

    LER MAIS
  • COP26. Kerry reduz as expectativas sobre a cúpula de Glasgow: “Rumo a compromissos ainda insuficientes para alcançar…”

    LER MAIS
  • Diocese Anglicana no Paraná sagrará bispa coadjutora em Curitiba

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


04 Abril 2016

Sob protestos de refugiados e da ONU, a Europa começa hoje a deportar migrantes, com a entrada em vigor do acordo entre a União Europeia e a Turquia. As operações, segundo a ONU, poderão resultar em caos e violência.

A reportagem é de Jamil Chade, publicada por O Estado de S. Paulo, em 04-04-2016.

Atualmente, 52 mil migrantes estão na Grécia, aguardando para serem reassentados pela Europa. Mas, a partir de hoje, centenas deles vão começar a ser levados das ilhas gregas de Chios e Lesbos de volta para os portos turcos. A polícia local acredita que cerca de 500 pessoas serão enviadas hoje para o lado turco, desembarcando no porto de Dikili, e 250 serão enviadas por dia nessa semana.

Diante da perspectiva da deportação, o número de pedidos de asilo aumentou nos últimos dias. Ontem, muitos dos refugiados resgatados pela guarda costeira em Lesbos não sabiam que seriam deportados.

Desde a assinatura do acordo entre Turquia e UE, 6 mil pessoas desembarcaram nas ilhas gregas. Quem não conseguiu pedir asilo ou teve a solicitação recusada será enviado de volta. Por cada refugiado sírio devolvido, outro será retirado de um campo de acolhimento turco e reassentado na UE. No total, o acordo prevê 72 mil lugares.

Os reassentamentos ocorrerão na Alemanha, Finlândia e Holanda. O representante da ONU para migrações, Peter Sutherland, denunciou no fim de semana o fato de que “deportações coletivas” serão declaradas ilegais se os pedidos de asilo não forem antes avaliados.

A Anistia Internacional alertou que os sírios devolvidos correm o risco de serem deportados de volta para seu país.

A tensão na fronteira greco-macedônia aumentou nesta segunda-feira, 29, após a polícia macedônia utilizar gás lacrimogêneo contra centenas de migrantes que tentavam forçar a cerca fronteiriça para protestar contra o fechamento das fronteiras, uma questão que divide a União Europeia.

Despreparo. Fontes da ONU nas ilhas gregas confirmaram ao Estado por telefone que prevalecia a incerteza sobre como a operação vai ocorrer e como o acordo será implementado.

Autoridades turcas informaram que os sírios deportados seriam colocados em dois acampamentos ou poderiam se reunir com suas famílias, caso elas estejam na Turquia. Outros migrantes iriam para dois centros de acolhimento.

Oficiais da ONU disseram, no entanto, ter encontrado apenas duas tendas montadas no porto turco de Dikili, com dois banheiros.

Para a ONU, a falta de informação e de pessoas para lidar com o processo causa nervosismo entre os refugiados. Na sexta-feira, na ilha de Chios, centenas de migrantes detidos romperam grades e arames farpados do centro de estrangeiros e escaparam, temendo uma deportação iminente.

O Alto Comissariado da ONU para Refugiados alerta para a falta de comida e denuncia a detenção de crianças e mulheres grávidas.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Com acordo, Europa começa a devolver migrantes à Turquia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV