O que está em jogo entre dom Cappio e o Governo?

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • ‘Cultura do descarte e do ódio’ de governantes atuais lembra Hitler, confessa papa Francisco

    LER MAIS
  • O que suponho que Lula deveria dizer. Artigo de Tarso Genro

    LER MAIS
  • Bolívia. Breve reflexão a partir do golpe de Estado de 10 de novembro de 2019

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

06 Janeiro 2008

"Soa demagógica e no fundo falsa a alternativa colocada publicamente pelo Presidente: entre o bispo e os 12 milhões de nordestinos sedentos eu, Presidente, fico do lado dos 12 milhões. A alternativa é outra: entre o agronegócio e os 34 milhões de sedentos que podem ser atendidos, o bispo fica do lado dos 34 milhões", afirma Leonardo Boff, teólogo, comentando a greve de fome de D. Frei Luiz Flávio Cappio, em artigo publicado no Jornal do Brasil, 25-12-2007. Segundo o teólogo, "o governo foi autoritário, pouco democrático e republicano".

Eis o artigo.

"A liberação das obras de transposição das águas do Rio São Francisco pelo Supremo Tribunal Federal e a suspensão do jejum do Bispo dom Luiz Flávio Cappio aparentemente produziu calmaria na discussão acerca deste megaprojeto. Mas ela seguramente continuará. O jejum e as orações do bispo não foram totalmente em vão. Sobre 8 pontos apresentados ao Planalto pelo bispo e seu grupo de apoio, 6 foram acolhidos, o que facilitou  sua tomada de decisão.

Estimo que a atriz Letícia Sabatella que sempre apoiou a causa do bispo, indo ao local do jejum, interpretou o sentimento de muitos, em sua resposta à carta aberta ao deputado Ciro Gomes, publicada em O Globo do dia 21 de dezembro:”no dia 19 de dezembro de 2007, o que presenciei na Praça dos Três Poderes, em Brasília, foi a insensibilidade dos Poder Judiciário, a instransigência do Poder Executivo e a omissão do Congresso Nacional”.

Há um transfundo nesta questão que ficou ocultado no debate e que deve ser explicitado. Ninguém é contra levar água aos sedentos do semi-árido, muito menos o bispo que, livremente, há 30 anos optou viver entre os mais pobres dos pobres, ribeirinhos, quilombolas, indígenas e camponeses. Ele conhece como poucos os problemas do semi-árido e as alternativas de convivência com ele, maduradas pelos movimentos sociais da bacia do rio e apoiadas pelos estudos de notáveis pesquisadores da área. O que ele questiona é o modo como isso vem sendo conduzido.

Por detrás de tudo estão duas visões de mundo e de política que se confrontam.

O governo busca o grande, um crescimento que atende primeiramente os interesses de grupos do agronegócio e das indústrias e em seguida as necessidades do povo sofredor, o que configura falta de equidade. Os dados falam por si: 70% da água deve ser destinada a projetos de irrigação, 26% para abastecimento urbano e 4% para populações rurais do semi-árido. Esta posição é chamada de modernização conservadora, teórica e práticamente superada.

O bispo dom Capppio encarna o pequeno, com uma postura ética que visa a dar  centralidade ao social especialmente àquelas populações que sempre foram preteridas pelas políticas públicas. Apoia os projetos que sejam amplamente inclusivos e que preservem o patrimônio social, cultural e ecológico da bacia do rio São Francisco.

Esses projetos existem. A Agência Nacional de Águas (ANA) no seu Atlas Nordeste de Abastecimento Urbano de Agua mostrou que o projeto  do governo custaria R$ 6,6 bilhões, atenderia apenas a quatro Estados e beneficiaria 12 milhões de pessoas de 391 municípios. Enquanto o projeto alternativo da ANA custaria 3,3  bilhões, atingiria nove Estados e beneficiaria 34 milhões de pessoas de 1356 municípios. Existe ainda o projeto da Articulação do Semi-Arido (ASA) que prevê a construção de um milhão de cisternas, sendo que 220 mil já foram construidas com o apoio de 800 entidades e também do Governo que a partir de setembro deste ano retirou sua contribuição.

Por que o governo não levou à discussão estes projetos alternativos? Eles são muito mais baratos e mais includentes. Essa desconsideração levou o bispo ao jejum de protesto.  Suspeitamos, pois esta é a lógica de nosso estado, historicamente refém dos interesses de poucos, que subjacentes estejam volumosos capitais, grandes empreiteiras e aqueles industriais ligados ao comércio de exportação que teriam vergado o governo para o seu lado.

Por isso soa demagógica e no fundo falsa a alternativa colocada publicamente pelo Presidente: entre o bispo e os 12 milhões de nordestinos sedentos eu, Presidente, fico do lado dos 12 milhões. A alternativa é outra: entre o agronegócio e os 34 milhões de sedentos que podem ser atendidos, o bispo fica do lado dos 34 milhões.

Esta é a questão de fundo que mereceria ampla discussão pública, profunda discussão no Parlamento e eventualmente um plebiscito por envolver vários estados e um grande símbolo nacional que é o Velho Chico.

Neste ponto o governo foi autoritário, pouco democrático e republicano negando-se  a este percurso.

O bispo dom Cappio com seu jejum quis chamar atenção para esta questão ocultada nas iniciativas do governo. E o fez de forma consciente e serena, pois é um franciscano de eminente santidade pessoal que associou sua vida e destino àqueles que injustamente menos vida tém e que são condenados a morrer antes do tempo.  Os projetos devem servir às pessoas e não as pessoas aos projetos.

Para ler mais:

A vida do Rio São Francisco e de Dom Luiz Cappio. Entrevistas especiais com Roberto Malvezzi, Thomas Bauer, Rita Cappio e Dom Paulo Cardoso

  `Dai a César o que é de César...` Fé e Política em discussão. Artigo de Luiz Alberto Gómez de Souza

 Fé e política. (Pensando em meus mestres H. C. Lima Vaz e Ernani Maria Fiori). Um artigo de Luiz Alberto Gómez de Souza

Uma prece a São Francisco: solidários com os pobres e livres dos fundamentalismos religiosos e ecológicos. Artigo de Luiz Alberto Gómez de Souza

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

O que está em jogo entre dom Cappio e o Governo? - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV