Imigrantes na Itália: ""Em Rosarno, só querem nos matar""

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


11 Janeiro 2010

Centenas de imigrantes escapam da violência racista no sul da Itália. "Tiramos a sua fome, e eles nos pagam destruindo o nosso povo. Que vão embora!", diz um morador.
Rosarno, um vilarejo de 15 mil habitantes na Calábria [extremo sul da Itália], cuja prefeitura foi dissolvida no ano passado por infiltração mafiosa, continua vivendo em meio a uma tensão muito alta e ataques racistas isolados. Centenas de imigrantes abandonaram neste sábado o povoado nos ônibus proporcionados pela Defesa Civil, depois de 48 horas de revolta e distúrbios.

Aterrorizados e sem saber para onde vão, os trabalhadores temporários da maça contam que não podem suportar o racismo e o sofrimento. "Eles não nos deixam trabalhar e ainda por cima nos atacam e só querem nos matar", diz Steve Johnson (foto), um liberiano de 26 anos, enquanto prepara sua mochila e se dispõe a subir em um dos ônibus.

Steven Johnson, liberiano de 26 anos, chegou à Europa em julho de 2008. Menos de dois anos depois, diz que estava melhor na África. "Isso é muito sofrimento. É insuportável. Saí do meu país sendo uma criança em 1994. Havia uma guerra, e eu decidi ir para a Nigéria. Fiquei ali dois anos e depois fui embora para a Líbia. Passei mais dez anos ali. Sou cristão e ouvi que os italianos recebiam os refugiados políticos. Foi assim que eu vim aqui para salvar a minha vida. Cheguei em um barco em Lampedusa e me inscreveram durante seis meses em um centro de acolhida em Crotone (Calábria). Agora, eu sei que ninguém me protege. Vivo como uma ovelha: durmo onde posso e como o que posso. Vim para Rosarno buscar trabalho há cinco dias, mas os jovens da cidade me atacaram e me bateram. Agora é preciso ir embora, mas não tenho ninguém, não tenho dinheiro. Agora, sei que a Itália é um país racista e já não quero ficar aqui, mas não sei onde a minha família está".

(cfr. notícia do dia 11-01-10, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Imigrantes na Itália: ""Em Rosarno, só querem nos matar"" - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV