A mercantilização do lazer

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Basta! Manifesto de juristas contra o governo Bolsonaro

    LER MAIS
  • “Deus, Pátria e Família”: um retorno ao futuro dentro da globalização

    LER MAIS
  • Papa lança ataque frontal ao nepotismo e ao feudalismo no Vaticano

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Setembro 2007

Um dos fenômenos descritos por Adorno link é o da mercantilização do lazer, juntamente com um tipo de demonização do tempo livre, do ócio. O lazer na sociedade de consumo não deve, por um lado, ter relação nenhuma direta com a atividade produtiva, pois ele deve servir de momento restaurador de forças ao trabalhador, para que ele encare mais tranqüilamente o seu tempo de trabalho. Ainda assim, tal lazer não pode estar totalmente desvinculado do processo econômico, de maneira que, se ele não faz parte da cadeia produtiva, deve encaixar-se na esfera do consumo. Dessa maneira, descansar ou divertir-se é uma atividade que vai cada vez mais se aliando ao ato de consumir. Basta atentarmos aos locais de lazer contemporâneos, como os shoppings centers, destino indiscutível de milhares de pessoas no seu tempo livre e que são, sabidamente, templos de consumo. Quer seja para comprar um item supérfluo ou desnecessário, quer seja para ir ao cinema, assistir ao último lançamento de sucesso efêmero e fugaz, as pessoas nunca deixam de pagar pelo seu entretenimento.

As tendências de lazer que surgem alheias a esse processo, como as atividades ao ar livre ou os esportes, são imediatamente captadas pela propaganda que transforma seus itens básicos em objetos de desejo e estampam suas marcas para incentivar o consumo, transformando a atividade do camping, para usar um exemplo de Adorno, na indústria do camping, que faz as pessoas crerem que todos os itens que oferecem, de sapatos especiais a talheres de plástico, são estritamente necessários. Assim, as pessoas se concentram mais nas coisas que têm do que na atividade que realizam ou na companhia da qual poderiam desfrutar.

(cfr. notícia do dia 10-09-07, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A mercantilização do lazer - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV