Testes levam futuros pais a rejeitar embriões imperfeitos

Revista ihu on-line

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Mais Lidos

  • Irmã Dulce, símbolo de um Brasil que está se esquecendo dos pobres. Artigo de Juan Arias

    LER MAIS
  • Aos 15 anos da morte do filósofo francês Jacques Derrida, o último subversivo

    LER MAIS
  • “A ética do cuidado é um contrapeso ao neoliberalismo”. Entrevista com Helen Kohlen

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

21 Setembro 2006

Nos EUA, cada vez mais se geram filhos que jamais terão certas doenças. Chad Kingsbury sabe que sua filha de 2 anos, Chloe, nunca ficará doente de câncer de intestino que já matou quatro pessoas de sua família e que ele também poderá enfrentar por causa da mutação genética que o torna suscetível à doença. Submetendo Chloe a um teste genético quando ainda era um embrião no laboratório, Kingsbury e sua mulher souberam que ela não tinha o gene defeituoso. Por isso, foi escolhida entre outros embriões que o casal havia concebido por fertilização in vitro.
Há mais de uma década que futuros pais vêm lançando mão desse procedimento, o diagnóstico genético pré-implantação, para fazer uma triagem que localize genes causadores de doenças.
Críticos temem que a posse de recursos financeiros possa converter o diagnóstico numa divisão por classe genética na qual os ricos se tornarão mais geneticamente saudáveis que os pobres.
Os pais de Chloe levaram dois meses para tomar a decisão. "Eu não conseguiria imaginar os médicos dizendo que minha filha tem câncer, quando eu poderia ter evitado isso", afirmou Kingsbury.

(cfr. notícia do dia 21-09-06, desta página).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Testes levam futuros pais a rejeitar embriões imperfeitos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV