Óleo que vazou perto de Angra chega à praia

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • “A pastoral com as pessoas LGBT deve fazer parte do caminho sinodal”, defende o cardeal de Bolonha

    LER MAIS
  • Os padres das novas gerações e o ‘modelo’ padre Pino Puglisi: uma distância intransponível?

    LER MAIS
  • As origens do termo “gaúcho” e nossas heranças indígenas. A história que não te contam

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


19 Dezembro 2011

O óleo que vazou na sexta-feira na Baía da Ilha Grande (litoral sul do Estado do Rio) de um navio usado pela indústria do petróleo chegou ontem ao continente. Uma mancha atingiu a praia do Bonfim, a 2,5 km do centro de Angra dos Reis, principal cidade da Costa Verde fluminense. O óleo poluiu a areia e o costão rochoso. Outras praias da cidade, da turística Ilha Grande e da Restinga da Marambaia poderão ser atingidas pelo óleo hoje.

A reportagem é de Sérgio Torres e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 19-12-2011.

De águas calmas, o Bonfim é uma praia muito utilizada pela população de Angra, pela proximidade dos bairros mais populosos. É também uma área onde se pratica futebol e vôlei.

O navio-tanque Cidade de São Paulo, de onde o óleo vazou, pertence à empresa Modec, que presta serviços a petroleiras mundiais em engenharia, navegação e instalações industriais. A embarcação seguia para o estaleiro Brasfels (Angra), para a conversão em navio-plataforma (FPSO). Deverá ser empregada pela Petrobrás a partir de 2013 na bacia petrolífera de Santos.

Biodiversidade

De acordo com a Polícia Federal (PF) e governo do Estado do Rio, vazaram cerca de 10 mil litros de óleo combustível. A quantidade não é tão grande. O vazamento no campo de Frade (Bacia de Campos, no Norte Fluminense), iniciado em 7 de novembro e ainda não contido, é calculado em torno de 400 mil litros de petróleo bruto. O problema é que o novo vazamento aconteceu a poucos quilômetros de um dos mais belos trechos do litoral brasileiro, em uma área de abundante vida marinha e de grande atrativo turístico.

Após vistoria aérea ontem de manhã, o delegado do Meio Ambiente da PF no Rio, Fábio Scliar, disse ter avistado duas manchas. Uma delas, de 150 metros de comprimento por 200 metros de largura, aproximava-se da Restinga da Marambaia, área de acesso restrito a militares e onde os ex-presidentes Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva passaram temporadas de veraneio.

Bem maior -1,5 quilômetro de comprimento por 150 metros de largura -, a segunda mancha estava do lado externo da Ilha Grande, aparentemente rumo ao mar aberto. Scliar não enxergou a terceira mancha, que chegou à tarde à costa de Angra dos Reis. O delegado abrirá inquérito para apurar as responsabilidades pelo desastre. "Mesmo que não tenha sido grande, esse despejo representa claro dano ambiental", afirmou.

Em outro sobrevoo, o secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc (ex-ministro do Meio Ambiente), verificou a existência de duas manchas de pequenas dimensões. A secretaria multou a Modec em R$ 10 milhões.

Esse valor pode ser acrescido ou reduzido conforme o que for apurado durante as investigações que deverão ser abertas pelo governo estadual.

O secretário disse que o derramamento de óleo na Baía da Ilha Grande é "infinitamente menor" do que o ocorrido no Campo de Frade, operado pela empresa norte-americana Chevron. "Mas o impacto ambiental é bem maior, já que ocorreu numa região bastante sensível do ponto de vista da biodiversidade", disse Minc.

Água e óleo

Em nota divulgada à noite, a Modec informou ter revisto a quantidade de óleo derramado no mar. O comunicado diz que 4,4 mil litros de água misturada a óleo vazaram - e não os 10 mil divulgados inicialmente.

"Relatório preliminar da equipe técnica da empresa indica que o volume total (de óleo), possivelmente, não ultrapassou os 2 metros cúbicos (2.000 litros)", afirma a empresa na nota.

Ainda de acordo com a Modec, técnicos contratados coletaram amostras do óleo na praia do Bonfim. "Análise preliminar aponta que as características da referida substância são distintas do óleo combustível vazado do navio-plataforma", prossegue o comunicado.

A Modec informou ainda não saber a causa do vazamento. Responsável pelas operações da empresa na Bacia de Santos, André Cordeiro disse que o navio foi construído na China, "há dez, 15 anos". Ele disse que o óleo vazou do tanque de lastro, "o que não é comum". O navio está parado entre a Ilha Grande e a costa da cidade de Paraty.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Óleo que vazou perto de Angra chega à praia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV