Papa sem arminho

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • “O problema da esquerda é que está fechada em sua sociologia e nas grandes cidades”. Entrevista com Christophe Guilluy

    LER MAIS
  • A radical visão teológica do Papa Francisco

    LER MAIS
  • O surgimento dos ''cismáticos devotos'' na Igreja Católica. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

16 Dezembro 2011

"Que o Papa Bento XVI nos dê um presente de Natal: renuncie ao arminho", pede a Associação Italiana de Defesa dos Animais e do Meio Ambiente (Aidaa), que promoveu para isso um abaixo-assinado.

A reportagem é de Giacomo Galeazzi, publicada em seu blog, Oltretevere, 15-12-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

"São quase sete mil os italianos que o assinam, em um ritmo rápido – afirma a Aidaa em nota – para pedir que o pontífice faça, por ocasião do Natal, um gesto que agradaria particularmente o mundo animalista (incluindo os milhões de católicos animalistas), isto é, de renunciar para sempre e de forma definitiva à estola de arminho, exibida como ornamento do almuz (capa papal vermelha) justamente nas maiores festas, incluindo a do Natal".

No abaixo-assinado (que pode ser assinado online no sítio http://www.firmiamo.it/papasenzaermellino), os promotores e, em particular, o presidente nacional da Aidaa, Lorenzo Croce, pedem que o papa: "Renuncie à estola de arminho que não tem nada a ver com os paramentos sagrados. No respeito à vida em todas as suas formas e para lembrar que os animais também são criaturas de Deus; ou também para quem não crê os animais são criaturas sencientes que têm o direito de viver como todas as outras e que, como nós, sofrem e sentem dor e medo quando são levados à morte para satisfazer os desejos humanos em todas as suas formas".

"Para fazer a estola papal – lembra a nota – é preciso a pele de mais de 25 arminhos, que são brutalmente mortos de forma cruel e violenta, e isso certamente não representa um sinal do amor pelas criaturas que povoam a nossa terra".

"As assinaturas serão coletadas até o fim de janeiro", afirma-se. "Depois, uma delegação de signatários e da cúpula da Aidaa irão pedir um encontro com o papa para poderem entregar o apelo assinado e para pedir que a Igreja, de uma vez por todas, reconheça o direito à vida também aos animais, já que, muitas vezes, ouvimos o papa falar da proteção do ambiente, mas nunca especificou que os animais são criaturas de Deus e que, como tais, merecem ser respeitadas e, acima de tudo, merecem poder viver como todos os outros seres que povoam esta terra, incluindo os homens".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Papa sem arminho - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV