Os cristãos e os budistas frente à mordernidade

Revista ihu on-line

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Mais Lidos

  • Os Arautos do Evangelho não reconhecem o Comissário do Vaticano, dom Raymundo Damasceno Assis

    LER MAIS
  • Pacto das Catacumbas pela Casa Comum. Por uma Igreja com rosto amazônico, pobre e servidora, profética e samaritana

    LER MAIS
  • A ideologização da Sociologia (além de uma simples distração). Artigo de Carlos A. Gadea

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

02 Novembro 2011

Em Tóquio, durante a primeira das quatro jornadas de trabalho, recordou-se "a nossa história entre amigos, que é um caminho que se transmite de um lugar a outro, de um tempo a outro", destacou Roberto Fontolan, presidente do Centro Internacional de Comunhão e Libertação.

A reportagem é do sítio Vatican Insider, 28-10-2011. A tradução é do Cepat.

Uma história que começou em 1987, graças ao encontro entre Shodo Habukawa, monge da Escola Shingon e abade do mosteiro do monte Koya e dom Luigi Giussani, fundador da Comunhão e Libertação. A aproximação marcada pela compreensão das diferentes experiências humanas e religiosas fortaleceu essa história. E nesse caminho, entre outras, coisas, se inscreve também a experiência de Fosco Maranini, lembrada pelo ensaista Franco Marcoaldi.

Foi o mesmo Habukawa que definiu "a pessoa de dom Giussani como inesquecível", ele que começou a traçar um primeiro contato entre o Cristianismo e o Budismo: o respeito à natureza e o meio ambiente. Se na interpretação cristã, o homem vence a natureza como destinatário final, na "leitura" budista é "parte integral da natureza". As duas visões, num mundo que está lutando por sua conservação, estavam destinadas a aproximarem-se. Outro ponto é a piedade, entendida como compaixão descrita por Aisho Yagi, abade do Templo Myojo-in, que contou a sua experiência em Uganda, golpeada pelos conflitos étnicos e pelo flagelo da Aids.

Na relação do homem com a realidade, na sua vocação frente à realidade se encontra a raiz da responsabilidade que "alerta a tudo o que existe e acontece", sobre isto, destacou Constantino Esposito, professor da Universidade de Bari, se funda o conceito cristão da fé.

Com a intenção partilhada por cristãos e budistas de se expressarem no infinto, "talvez possamos encontrar juntos justamente na presença misteriosa" das coisas, "uma voz que nos chama. Responder a esta voz, cada um com os meios e modos de sua tradição, é nossa grande e  comum responsabilidade".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Os cristãos e os budistas frente à mordernidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV