Construção de usinas nucleares não deve desacelerar após Fukushima

Revista ihu on-line

Caetano Veloso. Arte, política e poética da diversidade

Edição: 549

Leia mais

Mulheres na pandemia. A complexa teia de desigualdades e o desafio de sobreviver ao caos

Edição: 548

Leia mais

Clarice Lispector. Uma literatura encravada na mística

Edição: 547

Leia mais

Mais Lidos

  • Só um radical ecossocialismo democrático pode mudar o horizonte

    LER MAIS
  • Seu bispo necessita dos seus conselhos: o que dirá a ele?

    LER MAIS
  • Dinâmica religiosa nos Estados Unidos. Artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


18 Setembro 2011

Contrariando as previsões surgidas após o vazamento da usina nuclear de Fukushima, há seis meses, o desastre japonês não deve levar a uma redução drástica dos planos de construção de usinas nucleares, especialmente nos países em desenvolvimento.

A reportagem é de Cláudia Trevisan e publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, 18-09-2011.

É o que ficou claro nos debates sobre energia sustentável e segurança energética pós-Fukushima na edição de verão do Fórum Econômico Mundial, na semana passada, em Dalian, na China.

"O abandono de usinas nucleares pode ser viável em um país rico como a Alemanha, mas não no Paquistão, onde a população precisa urgentemente de energia de qualquer fonte, de qualquer lugar", afirmou o ministro da Ciência e Tecnologia do Paquistão, Khan Jamali.

Entre os emergentes, a China é o melhor exemplo da aposta nesse tipo de energia. Com demanda crescente, tem 28 plantas em construção e planos de iniciar outras 24 - no mundo todo, são 440 usinas em operação e outras 52 em construção. Depois de Fukushima, o governo determinou a revisão das normas de segurança de todas as plantas existentes e em obras, mas não suspendeu o plano de expansão das usinas. O Brasil também não descarta construir mais delas.

Sem escolha. A rica Coreia do Sul mantém o cronograma de construir 12 novas unidades, que se juntarão a 20 já em operação. "Nós não temos como gerar eletricidade de outra maneira. Não temos escolha", ressaltou o professor Suh Nam Pyo, presidente do Instituto Coreano de Ciência e Tecnologia. Atualmente, 30% da energia consumida na Coreia vem de fontes nucleares.

Apesar de ter oferta abundante de petróleo e gás, os Emirados Árabes Unidos também constroem usinas nucleares, com o objetivo de diversificar sua matriz energética. "Nossa estratégia não vai mudar em razão de Fukushima. Não podemos condenar toda a indústria por causa do desastre no Japão", disse o ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, lembrando que existem mais de 400 reatores em operação no mundo.

Na plateia do painel sobre segurança energética, o deputado da região alemã da Bavária, Markus Blume, disse que seu país fez uma aposta no futuro ao decidir abandonar o uso de energia nuclear até 2022. Se a escolha der errado, terá consequências negativas sobre a competitividade econômica. Se for bem-sucedida, dará aos alemães liderança no setor de energia renovável.

A transformação da matriz energética do país exigirá investimentos de 100 bilhões e será especialmente desafiadora na Bavária, onde 60% da energia tem origem nuclear, observou o parlamentar.

Representante da indústria, o russo Artem Volynets, executivo-chefe da EN+Group, não acredita que haverá significativa redução no uso de energia nuclear. "Pode haver uma desaceleração, mas não será drástica", avaliou Volynets.

Custo elevado

Estudo da ONG Greenpeace mostra que o Japão teria de investir US$ 280 bilhões até 2020 para substituir a energia nuclear pela solar e eólica.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Construção de usinas nucleares não deve desacelerar após Fukushima - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV