Explode o fluxo de refugiados da Somália para o vizinho Quênia

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “O coronavírus é um pedagogo cruel”. Entrevista com Boaventura de Sousa Santos

    LER MAIS
  • Porque a América Latina é o epicentro da pandemia? Artigo de Raúl Zibechi

    LER MAIS
  • Se nos empenharmos a aliviar tanto sofrimento, estaremos buscando a Deus. Artigo de José María Castillo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


10 Agosto 2011

Com o avanço da crise de fome na Somália, o Quênia está entre o receio e a solidariedade. O motivo é o fluxo de refugiados do país vizinho, que não para de aumentar.

A reportagem é de Carolina Montenegro e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 11-08-2011.

Até o começo de agosto, a ONU registrava a entrada de 1.500 refugiados por dia, no campo de Dadaab, na fronteira norte do país. Outros milhares seguem para a Etiópia, fugindo da fome e da seca.

"Há mais de duas décadas o Quênia recebe somalis. A maioria se estabelece e fica no país como ilegal, porque a situação na Somália continua ruim. Eles vêm para ficar", diz à Folha Jane Some, analista da ONU em Nairóbi.

Cerca de 116 mil refugiados somalis chegaram a Dadaab este ano, 76 mil apenas nos últimos dois meses. O Quênia recebe, mas não integra ou dá cidadania aos somalis.

Estima-se que 1 milhão de somalis expatriados vivam em território queniano, a maior parte refugiados. Em Nairóbi quase 60 mil vivem em Eastleigh (subúrbio chamado de "Little Mogadiscio"), onde são alvo de discriminação e abuso policial.

Ontem, a ONU alertou para o aumento de refugiados nas próximas semanas. O presidente queniano, Mwai Kibaki, disse que os somalis "precisavam ser assistidos dentro de seu próprio país" e que vai financiar um centro de alimentos em Mogadício.

Por trás da política de "morde e assopra" está a preocupação com a segurança e a política interna. Só dentro do Quênia são 3,5 milhões de famintos. "O governo também teme que o Al Shabab amplie sua atuação", afirma Some. Em 2010, a milícia somali explodiu uma bomba em Campala, Uganda - país que mantém tropas na Somália.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Explode o fluxo de refugiados da Somália para o vizinho Quênia - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV