"Em breve contarei toda a história", diz Abilio

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • EUA. Padre é suspenso por celebrar a missa rejeitando Francisco como Papa

    LER MAIS
  • A economista que defende uma mudança radical do capitalismo para o mundo pós-pandemia

    LER MAIS
  • Pedro Casaldáliga: sua Morte dá Sentido ao seu Credo

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


30 Junho 2011

O empresário Abilio Diniz, presidente do grupo Pão de Açúcar, distribuiu mensagens ontem no Twitter queixando-se das críticas que tem recebido pela proposta de fusão com o Carrefour no Brasil, com apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A reportagem é de Cley Scholz e publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, 01-07-2011.

A primeira mensagem do empresário para seus mais de 100 mil seguidores na rede de microblogs, por volta das 16 horas, dizia: "Estou sendo muito criticado, mas acredito que a fusão do Pão de Açúcar com o Carrefour será boa para o País e para os brasileiros".

Em seguida, o empresário enviou nova mensagem de agradecimento pelas manifestações de apoio: "Aproveito para também agradecer todas as mensagens de carinho postadas aqui no Twitter". Numa terceira mensagem, afirmou: "Tenho fé em Deus e acredito no meu trabalho. Tudo vai acabar bem e em breve contarei toda a história".

A fusão dos dois gigantes do varejo com apoio do banco estatal frequenta a lista dos assuntos mais comentados no Twitter desde que o negócio veio a público, anteontem. O deputado ACM Neto, líder do DEM, distribuiu para seus 20,8 mil seguidores mensagem com crítica à fusão: "BNDES tem que se preocupar, por exemplo, em financiar quem tem pequenas mercearias, não grandes varejistas como Pão de Açúcar e Carrefour".

Outra crítica veio do deputado Chico Alencar (PSOL-RJ), para quem o apoio do banco estatal representa "desvio de função".

Ontem, o empresário também emitiu um informe publicitário em que disse que o Cassino "se ateve, precipitada e emocionalmente, a condenar uma operação sem qualquer análise". "A questão principal, da qual não se deve desviar o fico, é a seguinte: a operação é ou não boa para o Pão de Açúcar", escreveu Abilio.

No mesmo documento, o empresário informou que o objetivo da fusão é tornar a companhia mais eficiente, lucrativa e moderna.

"Ou seja, um Pão de Açúcar melhor para todos os seus colaboradores, acionistas, administradores e consumidores."

Antes do informe, Abilio só havia se pronunciado na quarta-feira em entrevista à Rede Globo. Ele afirmou que a meta da empresa é continuar a crescer organicamente. "Empresa que não cresce organicamente fica parada", afirmou, destacando que o Pão de Açúcar emprega 158 mil pessoas.

A entrevista foi concedida após reunião da Câmara de Políticas de Gestão, Desempenho e Competitividade, no Palácio do Planalto, em Brasília. Abilio atendeu apenas à Globo.

"A companhia (Pão de Açúcar) está listada em bolsa aqui e nos Estados Unidos há 15 anos, não tem nada de ilegal. Agora, o que espero é que o Casino analise a proposta que ele recebeu com atenção, com cuidado e sem emoção. Ele vai gostar da proposta", afirmou.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"Em breve contarei toda a história", diz Abilio - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV