Protestos contra Piñera

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco conclui o texto sobre o Sínodo amazônico; publicação deve sair em poucas semanas

    LER MAIS
  • Celibato dos padres, Papa Francisco: com Ratzinger o caso está encerrado. Eugenio Scalfari relata seu encontro com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Padres casados ​​e diáconas. Os bispos alemães aceleram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Junho 2011

Enquanto os alunos do ensino médio se mantinham firmes em seus protestos contra o governo de Sebastián Piñera, no Chile, uma reivindicação de trabalhadores e líderes da oposição se somava a eles, que considera exígua uma proposta de reajuste do salário mínimo.

A reportagem é do jornal Página/12, 23-06-2011. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

As federações de estudantes do ensino médio mantêm paralisados cerca de 300 escolas e institutos de todo o país, contra a agenda de privatização do governo, ao qual exigem uma nova Constituição que garanta o direito a uma educação estatal e gratuita em todos os níveis de ensino.

A Coordenadoria Nacional dos Estudantes Secundaristas convocou os jovens a se manifestarem hoje por meio de marchas e de outros atos de protesto até que o palácio La Moneda responda às demandas propostas.

Trabalhadores, especialistas e setores da oposição criticaram, além disso, um projeto de reajuste do salário mínimo apresentado pelo governo, por considerá-lo insuficiente em meio ao encarecimento da vida nesse país sul-americano. A proposta da La Moneda, que eleva de cerca de 369 a 389 dólares aproximadamente a renda mínima mensal a partir do dia 10 de julho próximo, foi aprovada pela Câmara dos Deputados com o respaldo das bancadas da situação.

Segundo o deputado e presidente do Partido Comunista (PCCH), Guillermo Teillier, a iniciativa do Executivo "só distribui a pobreza entre os trabalhadores e não leva em conta que o Chile é um país com enormes desigualdades". O deputado Lautaro Carmona, também do PCCH, lembrou os fracassos da legislação trabalhista, que "tira peso da sindicalização e, portanto, da capacidade de negociação dos trabalhadores".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Protestos contra Piñera - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV