Italianos rejeitam volta da produção nuclear, privatização da água e imunidade para ministros

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco conclui o texto sobre o Sínodo amazônico; publicação deve sair em poucas semanas

    LER MAIS
  • Celibato dos padres, Papa Francisco: com Ratzinger o caso está encerrado. Eugenio Scalfari relata seu encontro com o Papa Francisco

    LER MAIS
  • Padres casados ​​e diáconas. Os bispos alemães aceleram

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

13 Junho 2011

O primeiro-ministro italiano, Sílvio Berlusconi, reconheceu a derrota em "todas as questões" do referendo de domingo e dessa segunda. A votação foi encerrada às 15h de nessa segunda-feira (horário de Roma). Os eleitores rejeitaram a volta da produção de energia nuclear no país, a privatização dos serviços de abastecimento d`água e a imunidade judicial de governantes.

A reportagem é da Agência Lusa e reproduzida pela Agência Brasil, 13-06-2011.

"Parece que a vontade dos italianos é muito clara em todas as questões deste voto", afirmou Berlusconi, em comunicado oficial.

Resultados parciais do referendo, divulgados pelo Ministério do Interior da Itália, informam que entre 95% e 96% dos eleitores votaram sim para revogar as leis do governo sobre a privatização dos serviços de abastecimento d`água, a definição das tarifas do serviço hídrico, a volta da produção de energia nuclear e a possibilidade de invalidar a lei que permite ao presidente do Conselho de Ministros e aos ministros se ausentarem dos tribunais alegando compromissos institucionais.

No comunicado, Berlusconi diz ainda que "o governo e o Parlamento têm o dever de aceitar plenamente as respostas dadas no referendo. O chefe do governo italiano reconheceu que a alta participação dos italianos, 57% do eleitorado, superior ao quórum necessário (50% mais 1), "demonstra uma vontade de participação dos cidadãos nas decisões sobre o futuro do país, que não pode ser ignorada".

Há 16 anos não se atingia na Itália o quórum necessário para esse tipo de referendo de iniciativa popular. Centenas de pessoas festejaram hoje, ao final da tarde, em Roma, a mobilização inédita registada no referendo promovido pela oposição, com alguns manifestantes declarando o resultado como um indicador "da maior responsabilidade do povo italiano".

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Italianos rejeitam volta da produção nuclear, privatização da água e imunidade para ministros - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV