Fim de linha para Palocci

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Golpe dentro do golpe: General Heleno abre guerra contra o que resta de democracia

    LER MAIS
  • Papa Francisco. Um passo para frente, dois para trás?

    LER MAIS
  • “Padres casados é um tema que distrai, a exortação é uma esperança para a nossa terra”. Entrevista com Mauricio López, secretário executivo da REPAM

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

05 Junho 2011

Confirmei na manhã deste domingo, com fonte da minha total confiança, uma informação que vinha apurando desde ontem: chegou o fim da linha para o ministro Antonio Palocci, chefe da Casa Civil, que a partir de agora pode ser demitido a qualquer momento.

O comentário é de RIcardo Kotscho, jornalista, no seu blog Balaio do Kotscho, 05-06-2011.

Não houve uma gota d´água. Foi o conjunto da obra que deixou Palocci nesta situação, sem contar com o apoio de mais ninguém, e à presidente Dilma Rousseff só resta agora encontrar um nome para substituí-lo.

Pegou muito mal o ministro não ter mostrado nenhuma indignação diante das graves denúncias feitas contra ele nas últimas semanas durante as entrevistas que concedeu à Rede Globo e à Folha, os dois orgãos por ele escolhidos para falar ao país. Na verdade, as entrevistas e as novas denúncias publicadas no final de semana apenas pioraram um quadro que já era irreversível.

O mais provável é que Dilma aproveite o desfecho da maior crise do seu jovem governo para fazer uma reformulação geral na articulação política, que já não vinha dando bons resultados antes mesmo das denúncias contra o ministro Antonio Palocci.

Para isso, ela vai ter que conversar com os líderes do PT e do PMDB, os dois principais partidos aliados, que estão descontentes com o governo e brigando entre si pelos cargos que ainda faltam ser distribuídos no segundo escalão.

Junto com Palocci deverá sair também o ministro Luiz Sergio, das Relações Institucionais, abrindo vaga para que efetivamente Dilma coloque no lugar alguém que faça a relação do governo com o Congresso e os partidos, papel que era centralizado por Palocci.

Diante da falta de bons quadros sobrando na praça, o problema é achar este nome sem desagradar mais ainda aos aliados, que certamente vão disputar o posto.

Para o lugar de Palocci, a presidente Dilma procura alguém com o perfil da própria Dilma, capaz de cuidar da gestão do dia a dia na Casa Civil, como ela fez no governo Lula, para que possa dedicar mais tempo à área política, o grande nó destes primeiros cinco meses de governo.

Agora é tudo só uma questão de tempo. A decisão está tomada. Ao completar três semanas,  a denúncia da Folha sobre a multiplicação do patrimônio de Palocci, que emparedou e paralisou o governo, a crise política pode estar chegando ao fim e nos permitir ter boas notícias na próxima semana.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fim de linha para Palocci - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV