Mata Atlântica perde 196 Ibirapueras em dois anos

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa obriga os futuros núncios a passar pelo menos um ano como missionários

    LER MAIS
  • O esgotamento do desenvolvimento: a confissão da Cepal. Artigo de Eduardo Gudynas

    LER MAIS
  • Um dicionário de teologia de acordo com a sensibilidade contemporânea. Artigo de Gianfranco Ravasi

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Mai 2011

A Mata Atlântica perdeu 31.195 hectares de sua cobertura entre 2008 e 2010, o equivalente a 196 Parques do Ibirapuera. Embora em ritmo menos acelerado que no passado, o bioma continua perdendo vegetação para atividades como produção de carvão, plantio de eucaliptos e agricultura. Minas Gerais foi o Estado que mais contribuiu para a perda da floresta, com 12.467 hectares desmatados.

A reportagem é de Andrea Vialli e publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, 27-05-2011.

Só nos últimos 25 anos, o total de área desmatada chegou a 1,72 milhão de hectares, o equivalente a 1,3% da cobertura original do bioma. Hoje restam 11% de Mata Atlântica no Brasil.

Os dados fazem parte do estudo Atlas dos Remanescentes Florestais da Mata Atlântica, divulgado ontem pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e a ONG Fundação SOS Mata Atlântica.

Segundo o levantamento, os dados do período apontam uma diminuição de 55% na taxa média anual de desmatamento, comparado com o período anterior analisado, o triênio 2005 a 2008. Na avaliação de Márcia Hirota, coordenadora do Atlas pela SOS Mata Atlântica, a queda no ritmo do desmate deve ser comemorada. "Essa diminuição pode ser explicada pelo avanço da legislação e pelo trabalho dos órgãos de fiscalização", afirma.

O levantamento foi feito com base na comparação de imagens de satélites do Inpe e pelo trabalho de campo dos pesquisadores, que avaliam as causas do desmatamento no local. A pesquisa não detecta, no entanto, o chamado "desmatamento formiga" - áreas desmatadas menores que 3 hectares.

Impacto

Em Minas Gerais, Estado que concentrou a maior parte dos cortes da Mata Atlântica, com 39,9% do total desmatado em todo o País, o grande vetor do desmatamento é a produção de carvão que alimenta as indústrias de ferro-gusa, matéria-prima das siderúrgicas. Márcia explica que as carvoarias utilizam a madeira da mata nativa nos fornos. "Depois, o espaço é ocupado com plantios de eucalipto, que também visam a abastecer esses setores", diz.

O Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos de Minas Gerais (Sisema) informa, em nota ao Estado, que, apesar do alto índice de desmate registrado nos últimos dois anos, também ocorre uma diminuição do porcentual de área desmatada no Estado de Minas em relação à área do bioma no início de cada período avaliado. Esse porcentual passou de 4,27%, no período de 1995 a 2000, para 0,47% no último levantamento, de 2008 a 2010.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mata Atlântica perde 196 Ibirapueras em dois anos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV