PRL. Luta biopolítica na sociedade pós-fordista

Revista ihu on-line

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Vilém Flusser. A possibilidade de novos humanismos

Edição: 542

Leia mais

Mais Lidos

  • Bolívia. “O elemento central da derrubada de Evo Morales não é a direita, mas o levante popular”. Entrevista com Fabio Luís Barbosa dos Santos

    LER MAIS
  • Finanças do Vaticano, o jesuíta espanhol Juan Antonio Guerrero é o novo prefeito

    LER MAIS
  • Representante do Papa participa de Encontro "Economia de Francisco" na PUC-SP

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Maio 2011

"A luta e intensa mobilização pela PRL se entende apenas em uma sociedade pós-fordista. Os ganhos obtidos pelo  trabalho não são mais para efeito de poupança, mas sim para consumo". A afirmação é do pesquisador e doutor em sociologia do trabalho pela Universidade Federal do Paraná – UFPR Cesar Sanson.

Eis o artigo.

A greve dos trabalhadores da planta industrial da Volkswagen em São José dos Pinhais já ultrapassa vinte dias e já é a mais longa na recente história da luta dos trabalhadores das montadoras no Paraná. Os metalúrgicos querem R$ 12 mil de Participação nos Lucros e Resultados - PLR. Eles têm como referência seus companheiros da Volvo e da Renault, que ao lado da  Volkswagen compõe o parque industrial automotivo da Grande Curitiba, que ganharam respectivamente R$ 15 mil e R$ 12 mil de PRL.

A PRL seduziu a luta operária mais do que qualquer outra luta. A possibilidade de ganhar, de uma só vez, uma grande quantia de recursos atrai fortemente os trabalhadores. A PRL é vista como um atalho para o consumo rápido e instantâneo que não exige o sacrifício da poupança e o adiamento do consumo. A sociedade impele e exige o consumo imediato. Não consumir é frustrar-se. A instaneidade do consumo não dá espaço para a frustração e, ainda mais, permite a conectividade com os outros e com o meio em que se vive. Um carro, um celular, um ipad, um notebook, um tênis, amplia a sensação de pertença e eleva a auto-estima junto aos demais.

A reivindicação pela PRL se transformou em luta biopolítica. O capital investe na bios, na vida do trabalhador, procurando ativar seus recursos subjetivos/imateriais – conhecimento, comunicação e colaboração – na produção e na definição do que produzir. É a subjetividade/sociedade que determina a produção, o que produzir. Quanto mais ativada a subjetividade no trabalho, mais possibilidades e potencialidades de ganhos têm o capital, diversifição produtiva e produtividade. A produção biopolítica pode ser o  diferencial para o capital num mundo globalizado e competitivo.

A produção biopolítica produz simultaneamente a luta biopolítica. O trabalhador retroalimenta sua subjetividade nos circuitos produtivos e fora dela – na sociedade de signos e símbolos a serem produzidas e adquiridas pelo consumo. Produção/subjetividade + subjetividade/ sociedade + produção/sociedade/consumo = produção de si. A PRL é uma síntese dessa equação. Subjetividade no trabalho significa mais produção, que redunda em mais ganho, que permite mais consumo, que resulta em mais subjetividade. O circuito se retroalimenta.

A luta e intensa mobilização pela PRL se entende apenas em uma sociedade pós-fordista. Os ganhos obtidos pelo trabalho não são mais para efeito de poupança, mas sim para consumo. Ainda mais: consumo de produtos não estandardizados, produtos que significam plus para a subjetividade. Erro do capital: querer explorar os trabalhadores com padrões fordistas em uma sociedade pós-fordista.

A resistência dos trabalhadores da Volkswagen em São José dos Pinhais (PR) pode ser compreendida e interpretada de duas formas: A primeira como uma luta conservadora, luta de quem ficou refém de um mecanismo, a PRL, introduzida no contexto da flexibilização das relações de trabalho em consonância com a lógica liberal hegemônica nos anos 90. Mecanismo em que o ganho está vinculado ao engajamento do "vestir a camisa da empresa", e pelo qual, o capital dilui ganhos reais a serem incorporados nos salários em um bônus – a PLR não incide sobre os direitos e tampouco representa percentagem a ser nominalmente acrescida ao salário.

Pode, por outro lado, ser entendida como luta biopolítica. Luta de quem quer afirmar a subjetividade mesmo que orientada pelo consumo. Afirmar a subjetividade pode também ampliar a autonomia e o caráter emancipatório em relação ao capital. A mesma subjetividade que o capital quer controlar pode se voltar contra ele.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

PRL. Luta biopolítica na sociedade pós-fordista - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV