Mais empresas desistem de Belo Monte

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Francisco e as uniões homossexuais

    LER MAIS
  • “A dignidade é a resposta popular ao cinismo aberto dos que estão no poder”. Entrevista com Slavoj Žižek

    LER MAIS
  • Dom Paulo Cezar Costa, novo Arcebispo de Brasília. Nota da Comissão Justiça e Paz de Brasília

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


24 Mai 2011

Quase todas as empresas que integraram o consórcio vencedor do leilão da Hidrelétrica de Belo Monte, em abril do ano passado, devem deixar a sociedade. De sexta-feira até ontem, três empresas privadas fizeram pedido formal para sair do grupo investidor Norte Energia: Galvão Engenharia, Serveng e Cetenco. A Contern, do Grupo Bertin, fará o comunicado nos próximos dias.

A reportagem é de Renée Pereira e publicada pelo jornal O Estado de S.Paulo, 25-05-2011.

A J.Malucelli Construtora não fez nenhuma formalização ao consórcio, mas também está disposta a se desfazer de sua participação se houver algum interessado. "O negócio não está no DNA da construtora", afirma o presidente do Grupo Malucelli, Joel Malucelli. A empresa tem participação em Belo Monte por meio de duas subsidiárias: a J.Malucelli Construtora e a J.Malucelli Energia. A intenção, segundo o presidente do grupo, é continuar no projeto apenas por meio da empresa de eletricidade.

A construtora Mendes Júnior é outra sócia que deixará o consórcio. Mas, nesse caso, a desistência se deve a uma pendência da empresa com o Banco do Brasil (que não poderia financiar o consórcio). Para sair da sociedade, no entanto, as empresas precisam encontrar um comprador para suas ações. Foi o que ocorreu com a Gaia Energia, do Grupo Bertin, cuja fatia (9%) no projeto será absorvida pela Vale.

Cogita-se no mercado que o fundo de pensão Funcef (dos funcionários da Caixa) e a Neoenergia (Iberdrola, Previ e Banco do Brasil) poderiam adquirir a fatia desses novos desistentes. Juntas, Galvão, Serveng, Cetenco, Contern e Mendes Júnior, têm 6,25% de Belo Monte. A J.Malucelli Construtora tem 1% de participação. No início, essas empresas respondiam por 29,98% do consórcio, que também contava com Queiroz Galvão (10,02%), Gaia (10,02%) e a estatal Chesf (49,98%).

Esse grupo foi formado pelo governo federal às vésperas do leilão e surpreendeu todo o mercado, já que as empresas eram de porte menor comparado às gigantes Andrade Gutierrez, Odebrecht e Camargo Correia. Sem as "desconhecidas", o leilão de Belo Monte não teria tido competitividade, já que havia apenas mais um consórcio interessado.

Mas, logo após a disputa, a situação começou a mudar. De protagonistas, essas empresas viraram figurantes. Suas participações foram reduzidas e o poder dentro do grupo limitado a obedecer às ordens de Valter Cardeal, o diretor da Eletrobrás que comanda as negociações ligadas ao projeto de Belo Monte. O grupo Eletrobrás continuou com 49,98% do projeto. Mas outros sócios entraram no negócio: Petros (10%); Funcef (2,5%); um fundo de investimento da Caixa (5%); e Neoenergia, 10%.

Com participação pulverizada, sem voz dentro do grupo e com obrigações financeiras pesadas a cumprir, as empresas decidiram se desfazer de suas posições, afirmou um dirigente, que prefere não se identificar. Segundo ele, a participação estatal dentro do consórcio também pesou na decisão das companhias. Mas elas não vão sair de mãos abanando. As companhias continuarão no consórcio construtor que levantará a usina.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Mais empresas desistem de Belo Monte - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV