Suicídios e as difíceis respostas

Revista ihu on-line

Planos de saúde e o SUS. Uma relação predatória

Edição: 541

Leia mais

Hans Jonas. 40 anos de O princípio responsabilidade

Edição: 540

Leia mais

Do ethos ao business em tempos de “Future-se”

Edição: 539

Leia mais

Mais Lidos

  • Às leitoras e aos leitores

    LER MAIS
  • No Sínodo, é fundamental "a denúncia concreta do que acontece em nosso território". Entrevista com Dom José Luiz Azuaje

    LER MAIS
  • Os jovens ativistas frente à crise ecológica do século 21

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

23 Maio 2011

"A questão dos suicidios entre os povos indígenas, e em especial entre os Kaiowá Guarani é uma questão muito delicada, que precisa ser entendida em sua gravidade, respeitando o silencio e mistério que envolvem essas mortes. Mas como uma jovem Kaiowá levou a quesstão ao forum da ONU, para sensibilizar os Estados Nacionais sobre as principais causas dessa atitude extrema, dentre os quais se destaca a não demarcação e garantia das terras e destruição dos recursos naturais e do meio ambiente, resolvi trazer alguns elementos que ajudem a reflexão sobre essa realidade. Isso considerando que nesta semana acontecerá aqui em Dourados uma audiência publica e um seminário sobre a demarcação das terras indígenas. A temperatura certamente irá subir com um acentuado e agressivo tom anti indígena", escreve Egon Heck, ao enviar o artigo que publicamos a seguir.

Eis o artigo.

Fui visitar o amigo Kaiowá, Amilton Lopes, na Terra Indígena Nhanderu Marangatu, na fronteira com o Paraguai. Foi logo comentando que um vizinho seu, Arnaldo Savalo, de 30 anos, havia se suicidado, há três dias. Porém colocou uma pitada de desconfiança. "Ele estava assim ajoelhado encima da cama com a corda no pescoço e o peito machucado. Existem dúvidas se em alguns casos os aparentes suicídios não são a rigor homicídios. Porém isso acaba ficando para o rol dos mistérios que nunca serão esclarecidos. O fato é que os suicídios são, conforme a concepção Kaiowá Guarani, uma "doença-epidemia" que está fazendo cada vez mais vítimas. Falam sempre com certo constrangimento quando perguntados sobre o assunto. Preferem silenciar a respeito. Por esta razão os relatórios e estatísticas são sempre parciais e subestimadas. Conforme alguns estudiosos  a média anual de suicídios entre esse povo, no Mato Grosso do Sul, fica em torno de cinqüenta casos. Os números registrados ficam sempre aquém do que de fato acontece. Nos últimos vinte anos, foram 517 suicídios, conforme órgãos oficiais.

O suicídio e a terra

É importante lembrar que Nhanderu Marangatu, município de Antonio João, é um exemplo do absurdo que acontece em termos de terras indígenas no Mato Grosso do Sul. Essa terra indígena, de 9.300 hectares foi demarcada em outubro de 2004. Em março do ano seguinte foi homologada pelo presidente Lula. Em junho do mesmo ano o então presidente do Supremo Tribunal Federal, Nelson Jobim, cassou liminarmente a homologação. Veio em seguida o despejo da comunidade para a beira da estrada. Como o asfalto devia passar por onde estavam acampados tiveram que sair daí e ficar confinados em 127 hectares. Ali permanecem até hoje, em confinamento, com todo tipo de pressão, ameaças e violência. Nestes seis anos já aconteceram vários suicídios e 4 mortes por atropelamento.

Os suicídios entre os Kaiowá Guarani são extremamente preocupantes. Em meados da década de 90 houve um período em que esse fenômeno complexo de vertentes conjunturais e culturais, atingiram um pico alarmante. Foram encomendados estudos a respeito tentando identificar as causas e enfrentar a situação. Foi trazido um xamã da Finlândia para dialogar e refletir a respeito, com a população Kaiowá Guarani.

A situação é atribuída à contínua discriminação que sofrem os indígenas, enfrentando mudanças graves em seu entorno e violações sistemáticas de seus direitos. Isso gera sensação de impotência, falta de perspectivas e traumas individuais e coletivos, podendo levar ao suicídio como resposta aos problemas.

Das centenas de estudos e trabalhos acadêmicos e jornalísticos, históricos e religiosos realizados sobre o tema, são levantadas as inúmeras causas do suicídio, com uma grande convergência para uma realidade central – a perda da terra e os confinamentos.

Questão dos suicídios Kaiowa Guarani é levado à ONU

Indianara, jovem Kaiowá de Dourados,  à Comissão Permanente da ONU com a difícil missão de  mostrar e ajudar a entender e enfrentar um dos graves problemas que enfrenta seu povo: o alto número de suicídios.

Para a Unicef, o informe tem o objetivo de, ao prover informação sobre o problema, estimular os povos afetados a tentar encontrar soluções. Por outro lado, o estudo também se volta aos Estados, para que assumam suas responsabilidades na prevenção, redução do dano e erradicação do suicídio.

Nesses dois estados (Amazonas e Mato Grosso do Sul), responsáveis por 81% dos casos de suicídio registrados, as taxas são alarmantes. 32,2 suicídios por cada 100 mil indígenas, no Amazonas, seis vezes maior que a taxa nacional. No Mato Grosso do Sul, a taxa de 166 suicídios por cada 100 mil indígenas é mais do que 34 vezes maior que a média nacional.

Quando se passa aos números da população indígena jovem, a situação se agrava. São 101 suicídios por 100 mil indígenas no Amazonas e 446 suicídios para 100 mil indígenas no Mato Grosso do Sul. (Camila Queiroz, Jornalista da Adital – 19 de maio 2011)

"O alto índice de suicídio na tribo, sempre por enforcamento, atingiu o ápice em 2009, quando foram registradas uma morte a cada dois dias. "Até que uma criança de 8 anos se matou. Aí paramos para discutir", diz Nestor Verón...( ESP,21/05/11).

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Suicídios e as difíceis respostas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV