"A questão não é tomar o poder, mas romper com a lógica do capital’

Revista ihu on-line

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Grande Sertão: Veredas. Travessias

Edição: 538

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

Mais Lidos

  • Livro analisa os teólogos, a virada ecumênica e o compromisso bíblico do Vaticano II

    LER MAIS
  • Desigualdade bate recorde no Brasil, mostra estudo da FGV

    LER MAIS
  • Adaptando-se a uma ''Igreja global'': um novo comentário internacional sobre o Vaticano II. Artigo de Massimo Faggioli

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

26 Março 2011

Inspirado no movimento zapatista, John Holloway, o autor do livro Mudar o mundo sem tomar o poder considera que a mudança não passa por partidos e nem deve objetivar o Estado.

Publicado em 2002, o livro Mudar o mundo sem tomar o poder é uma das obras que mais causou polêmica na esquerda mundial recentemente. Como o título aponta, sua proposição incendiária – fundamentada no marxismo – é a da construção de uma nova sociedade a partir da destruição do poder e não da tomada do Estado.

Fortemente inspirado pelo movimento zapatista, que desde 1994 se consolida de forma autônoma ao Estado mexicano no sul do país, o irlandês radicado no México John Holloway passou a ser referência no circuito anticapitalista, questionando formulações altamente solidificadas na esquerda tradicional, como a necessidade de partidos, da unidade, da retórica de classe e da categoria de totalidade.

Às portas de lançar em espanhol – no México, Argentina, Espanha e Peru – o seu novo livro Crack Capitalism, Holloway concedeu uma entrevista a Gabriela Moncau e Júlio Delmanto da revista Caros Amigos no final de janeiro nas dependências da Benemérita Universidade Autônoma de Puebla (BUAP), a duas horas da capital mexicana, onde leciona há mais de vinte anos.

A íntegra da entrevista encontra na edição 168 da revista Caros Amigos nas bancas.

Eis trecho da entrevista.

O livro Mudar o mundo sem tomar o poder teve grande repercussão, e uma série de críticas. Uma delas foi a de que não havia propostas. O seu novo livro Crack Capitalism parece desenvolver teorias de como caminhar em direção a uma mudança do mundo sem tomar o poder. Como foi o percurso entre estes dois livros?

Têm razão quando dizem que houve muitas críticas ao Mudar o mundo sem tomar o poder. Uma das principais foi o fato de que o livro termina dizendo que bom, não sabemos como mudar o mundo sem tomar o poder. E a resposta a essas críticas é que é claro que não sabemos. Não sabemos como fazer a revolução, se soubéssemos já a teríamos feito. O que sabemos é que as tentativas do século XX fracassaram, e desses fracassos podemos aprender que é necessário conceber a revolução de outra forma. Mas não temos respostas. Parte do repensar a questão da revolução é justamente partir do fato de que não sabemos como fazê-la, por isso precisamos pensar, discutir. Mas além disso, dizer que não sabemos, porque se eu digo que eu sei como fazer a revolução, parto do pressuposto que eu tenho que explicar a vocês como se faz, o que implica uma política de monólogo. Se dizemosque não sabemos, então a conversa faz-se necessária, isso implica uma política de diálogo, horizontal e, suponho eu, mais honesta. Recebi muitos tipos de críticas. Alguns disseram "que absurdo, que loucura, ele está absolutamente equivocado", outros disseram "estou totalmente de acordo, não quero entrar na lógica suja do Estado, da tomada do poder estatal. Mas então o que fazemos?" Então, o novo livro é um pouco uma tentativa de avançar com uma resposta nesse sentido, uma resposta que é ao mesmo tempo uma pergunta.

Aponta caminhos para a ruptura com o capitalismo?

Realmente, a questão de ruptura é central, queremos romper com a lógica do capitalismo. E queremos fazê-lo de milhares de formas diferentes. Vamos criar espaços onde não vamos reproduzir a lógica do capital, onde vamos fazer outra coisa, ter outros tipos de relações, desenvolver atividades que tenham sentido para nós. Então o problema da questão da revolução, em lugar de ser como tomamos o poder, é: como rompemos com a lógica do capital? Para mim, o exemplo mais óbvio é o dos zapatistas. A partir do momento em que se cruza para dentro do território deles há uma sinalização que diz "Aqui o povo manda, e o governo obedece". Trata-se da criação de um espaço com outra lógica. Mas se começamos a pensar nisso, vemos que não são somente os zapatistas, são também rádios comunitárias, centros sociais, comunidades ou municípios autônomos, revistas alternativas, enfim, uma série de rompimentos que não são necessariamente territoriais, podem também se referir a uma atividade, como os protestos estudantis contra a introdução da lógica mercadológica na educação. Ou pode-se dar também na relação entre marido e mulher, ou filhos, tratar o amor como uma tentativa de criar uma relação em que não se aceita a lógica gananciosa e mercantil do capital. A única forma de pensar na revolução é em termos desses espaços ou momentos que se podem conceber como fendas no tecido social da dominação capitalista. A única forma de pensar na revolução é em termos da criação,  ultiplicação e expansão dessas fendas, porque elas se movem, são dinâmicas. E essa resposta é também uma pergunta, porque há muitos problemas a resolver.

 

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

"A questão não é tomar o poder, mas romper com a lógica do capital’ - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV