Vamos Tirar o Planeta do Sufoco. Prefeitura de SP é criticada por setor de plásticos

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Bento XVI queria Bergoglio como secretário de Estado?

    LER MAIS
  • Seminaristas: batalha perdida?

    LER MAIS
  • Assessor da bancada ruralista é nomeado presidente da Funai

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

17 Dezembro 2011

As entidades que representam o setor do plástico lamentaram a decisão da Prefeitura de São Paulo de aderir à campanha Vamos Tirar o Planeta do Sufoco, da Associação Paulista dos Supermercados (Apas). A iniciativa tem o objetivo de acabar com a distribuição gratuita de sacolas plásticas no comércio e três grandes redes - Carrefour, Pão de Açúcar e Walmart - também já aderiram. A iniciativa é voluntária e passa a valer no dia 25 de janeiro.

A informação é do jornal O Estado de S.Paulo, 17-12-2011.

"É com preocupação que a Plastivida, o Instituto Nacional do Plástico (INP) e a Associação Brasileira da Indústria de Embalagens Flexíveis (Abief) recebem a notícia que, apesar da decisão do Tribunal de Justiça em manter a suspensão da lei que proíbe o uso das sacolinhas plásticas nos supermercados e no comércio varejista da cidade de São Paulo, a Prefeitura manifesta seu apoio à campanha que preconiza o banimento de sacolas plásticas por ato voluntário dos supermercados", afirmam as entidades por meio de nota.

De acordo com elas, a decisão do Tribunal de Justiça de suspender a lei municipal se baseia no argumento de que, além de ineficaz, ela "contraria o direito do consumidor de levar os produtos comprados no comércio".

Para a Plastivida, quem perde é o consumidor, que passa a ter de comprar sacolas retornáveis para transportar suas compras ou que recebem dos supermercados caixas usadas, sem a garantia de uma higienização e com a possibilidade de contaminação.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Vamos Tirar o Planeta do Sufoco. Prefeitura de SP é criticada por setor de plásticos - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV