Conflito no Congo é ignorado pelo mundo

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • “Não seremos salvos pelo moralismo, mas pela caridade”. Artigo do Papa Francisco

    LER MAIS
  • A contagem regressiva para a próxima pandemia

    LER MAIS
  • Carta de alerta a todas as autoridades políticas e sanitárias brasileiras sobre a Covid-19

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


05 Dezembro 2012

A retirada dos rebeldes congoleses tutsi da estratégica cidade oriental de Goma, que ocuparam em 20 de novembro em uma operação relâmpago, é só um episódio menor no tabuleiro de uma guerra colossal no centro da África, que deixou mais de cinco milhões de mortos e que nunca se extinguiu, apesar de ser dada como terminada em 2003. A permanente desestabilização da região não pode ser entendida sem enraizá-la no genocídio da minoria tutsi ocorrido em Ruanda há quase duas décadas. Mas, além dos profundos agravos étnicos e políticos, o temor de Ruanda de que seus inimigos hutus se fortaleçam do outro lado da fronteira, está o fato de que o Congo oriental, a região de Kivu, da qual Goma é o centro nevrálgico, abriga uma concentração incomparável de minérios estratégicos cujo controle implica poder e riqueza e provoca a cobiça de Ruanda, mas também de Uganda.

A reportagem é do jornal El País e reproduzida pelo Portal Uol, 04-12-2012.

O Congo, com as dimensões da Europa Ocidental, é um gigante com pés de barro. A corrupção generalizada, a discutida legitimidade do presidente Joseph Kabila, apesar de ter ganhado as eleições no ano passado, e a indisciplina de suas forças armadas agravam a situação e explicam que seu pequeno vizinho Ruanda, sob o punho de ferro do presidente Paul Kagame e com um exército organizado, tenha se transformado no cérebro e sustentáculo direto das milícias rebeldes congolesas, segundo evidência incontestável de um informe recente da ONU que Kigali rejeita furiosamente. O deslizamento para o abismo do Congo Oriental é favorecido pela inoperância das forças da ONU ali mobilizadas, mais de 8.000 soldados, em suposta e caríssima missão pacificadora, humilhados pela fulgurante tomada de Goma (1 milhão de habitantes) pelos insurgentes tutsi congoleses do M23, agora simbolicamente afastados a 20 quilômetros.

A explosiva situação acarreta o risco inadmissível de provocar uma nova guerra em grande escala em uma região onde ocorreram, em meio a uma pavorosa indiferença ocidental, algumas das maiores atrocidades de nossa era. Não basta que alguns países desenvolvidos congelem sua ajuda a Kigali. O Conselho de Segurança da ONU, no qual Ruanda tem agora um assento, é obrigado a abandonar sua complacência.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conflito no Congo é ignorado pelo mundo - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV