Dalai Lama, o cristianismo, a conversão e algumas polêmicas

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Liberdade e igualdade não bastam: uma cartilha sobre a Fratelli tutti. Artigo de Charles Taylor

    LER MAIS
  • A Economia Anticapitalista dos Franciscos e das Claras

    LER MAIS
  • “O racismo estrutura a sociedade brasileira, está em todo lugar”. Entrevista com Djamila Ribeiro

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


Por: Jonas | 30 Novembro 2012

Durante uma conferência sobre ciência e religião, na Christ University de Bangalore, Dalai Lama (foto) afirmou: “Uma religião deve se limitar a fazer intervenções orientadas para o serviço, como dar uma instrução e oferecer sistemas de assistência à saúde e não induzir à conversão”.

A reportagem é de Luca Rolandi, publicada no sítio Vatican Insider, 28-11-2012. A tradução é do Cepat.

Numa reportagem, a AsiaNews destacou que as declarações do líder religioso, sobre o cristianismo e as conversões, parecem “contraditórias” e podem ser mal interpretadas, podendo ser comparadas com a ideologia “hindutva” (o nacionalismo hinduísta). Esta é a opinião de Sajan George, presidente do Global Council of Indian Christians (Gcic).

O líder tibetano enfatizou a enorme contribuição “que os cristãos oferecem à educação”, mas também apontou que as instituições religiosas deveriam se concentrar em salvar a sociedade, pelo que não se deveria fazer “proselitismo usando dinheiro”, já que “não apenas é prejudicial, mas também vai contra os preceitos cristãos”, embora “a conversão, em si mesma, não deve ser criticada quando acontece com absoluta consciência”.

Ao mesmo tempo, acrescentou, “responder às conversões com ódio e violência, como fazem os hinduístas que queimam igrejas e destroem casas, não é digno da natureza tolerante da religião mais antiga do mundo”.

Para tratar de incentivar a harmonia entre as religiões, e não o conflito que caracteriza muitas áreas da Índia, George ressaltou que após ter recebido a iluminação, Buda “compartilhou sua experiência e ensinou aos demais a seguir o caminho. Viajou por todo o nordeste da Índia, durante décadas, difundindo sua filosofia aos que estivessem interessados, sem distinção de gênero ou casta”.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Dalai Lama, o cristianismo, a conversão e algumas polêmicas - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV