Seca no Nordeste. Sertanejo alimenta animais com sal

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • O Papa doa aos pobres um prédio de luxo a poucos passos de São Pedro

    LER MAIS
  • Arautos do Evangelho. Vaticano retoma a intervenção

    LER MAIS
  • Diálogo de surdos: Esquerda e direita falam só para bolhas de convertidos

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: Cesar Sanson | 15 Outubro 2012

Sertanejos vão ao extremo para não perderem criações. Governo diz que a estiagem de nove meses é a pior dos últimos 30 anos.

A reportagem é do portal G1, 13-10-2012. Foto: Reprodução/Inter TV Cabugi.

Há nove meses não chove em boa parte do interior do Rio Grande do Norte. Para o governo, esta é a pior estiagem dos últimos 30 anos no estado. E neste mês de outubro, a situação é ainda mais crítica. Segundo os meteorologistas, outubro é o mês mais quente do ano. Na tentativa de salvar os animais, o sertanejo vem adotando medidas extremas. Em Pendências, município do Oeste potiguar, pedras de sal e farelo de milho misturado em baldes d'água são as únicas fontes de alimento para as criações.

Como o farelo não é suficiente para todo o rebanho, o jeito é misturar a raspa de milho - o pouco que sobrou da plantação do ano passado - com água. Isso faz a ração render um pouco mais. Para forçar os animais a se alimentarem do caldo, as pedras de sal se tornam a solução. Eles lambem as pedras e ficam com mais sede. E, em busca d'água, o caldo de farelo acaba se tornando a salvação.

É desse jeito que o criador Magno Moura tenta livrar a criação da morte. Ou, pelo menos, manter o gado que resta de pé. "Nunca vi coisa tão cruel. Tudo que consegui ao longo dos anos está se acabando", lamentou. "Lutei. Sou um homem trabalhador, mas numa hora dessas a tristeza é profunda. Ninguém pode analisar a dor de um nordestino que perde seus animais. É duro demais. Só quem está aqui, no dia a dia, vendo eles morrendo aos poucos, sabe", acrescentou o criador, segurando o choro.

De acordo com o superintendente da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) no Rio Grande do Norte, João Lúcio da Silva, até a próxima quarta-feira (17) o estado deve receber 25 mil toneladas de milho. Os grãos serão distribuídos em Natal, Currais Novos e na região do Vale do Açu. Para o dia 19, ele também espera a chegada de mais 30 mil toneladas, que serão distribuídas para os demais municípios.

Estado de emergência

Hoje, dos 167 municípios do Rio Grande do Norte, 83% sofrem com a falta de chuvas. São 139 cidades em estado de emergência. Segundo a Defesa Civil do Estado, o Governo do RN já garantiu o repasse de R$ 10 milhões para contratação de carros-pipa, recuperação de postos artesianos e compra de insumos para os animais.

Quanto às chuvas, as previsões não são animadoras. De acordo com o relatório da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn), não há boa previsão para os próximos meses no interior. A seca deve se estender até o início de 2013.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Seca no Nordeste. Sertanejo alimenta animais com sal - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV