Fé e ciência: um diálogo possível? Um debate entre Marcelo Gleiser e Michael Welker

Revista ihu on-line

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Etty Hillesum - A resistência alegre contra o mal

Edição: 534

Leia mais

Direito à Moradia, Direito à Cidade

Edição: 533

Leia mais

Veganismo. Por uma outra relação com a vida no e do planeta

Edição: 532

Leia mais

Mais Lidos

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

04 Outubro 2012

Um diálogo necessário e frutífero, mas que continua perpassado por tensões e apresenta arestas um tanto difíceis de aparar. Assim é o debate entre fé e ciência no século XXI. Para esmiuçar essa temática, dando continuidade à programação do XIII Simpósio Internacional IHU – Igreja, cultura e sociedade. A semântica do Mistério da Igreja no contexto das novas gramáticas da civilização tecnocientífica, o físico Marcelo Gleiser, do Darthmouth College , em Hannover, Estados Unidos, e o teólogo Michael Welker, do Wissenschaft Institut, de Heidelberg, Alemanha, entabularam uma conversa na noite desta quarta-feira, 03-10-2012.

Para Marcelo Gleiser, quando se fala em ciência e fé, já se pressupõe conflito. Um dos problemas entre o diálogo entre tais campos, é que se podem assumir posições extremas em relação a qualquer um deles. No decorrer da história, disse, temos o que se pode chamar de um extremismo dentro da ciência e outro dentro da religião. Vários cientistas apontam que a única forma de se entender a realidade é através da maneira científica. Assim, tudo o que fica fora dela é inútil, seja filosofia, religião ou qualquer outro campo do conhecimento. Por outro lado, alguns militantes ateístas apontam o “conto de fadas” que é acreditar em Deus. Um dos expoentes máximos dessa posição é Richard Dawkins, autor de Deus, um delírio. Mas ele não está sozinho: Hitchens, Dennet e Harris formam, com Dawkins, o grupo que Gleiser chamou de “cavaleiros do apocalipse”.

“Particularmente, não divido a posição extremista dos ateus. Penso que o ateísmo é, também, uma forma de fé, porque se baseia, essencialmente, que há uma resposta indiscutível. Contudo, o ateísmo é, na verdade, acientífico”, disse ao plúblico. Gleiser explicou que a ciência funciona através do método empírico, com testes práticos realizados em laboratório a fim de comprovar determinada teoria ou hipótese. Em ciência há uma metodologia que prova, ou não, algo. A rigor, uma teoria funciona até que uma evidência não caiba nessa explicação.



Ateísmo como artigo de fé

Já no caso do ateísmo, a afirmação categórica é feita sem poder ser provada. É um artigo de fé, algo contraditório em si. A posição agnóstica é a que faz mais sentido dentro dos padrões de prova científica, ponderou Gleiser. De toda forma, um dos problemas mais importantes da religião é que existe uma realidade paralela à realidade física, que transcende espaço e tempo, e que só pode se comunicar conosco de formas imponderáveis. Isso, para um cientista, não funciona, porque a ciência opera através das concepções de causa e efeito aristotélicas. Essa dicotomia do naturalismo e do sobrenaturalismo é um dos grandes pontos de tensão entre a questão fé e ciência. “Nesse ponto, há uma incompatibilidade que não pode ser reconciliada por causa dessa diferença primordial de epistemologia. Para um cientista, o conhecimento não vem da revelação, da fé, mas da aplicação de um método com o qual se aprende por repetição”, reiterou.

Contudo, muitos cientistas esquecem que a ciência tem limites metodológicos óbvios. Na ciência sempre é preciso isolar o se que está estudando daquilo que está ao seu redor. São criadas condições apropriadas para o estudo de um objeto. Há, contudo, uma prepotência dos cientistas em querer explicar tudo, e a tentativa de uma teoria única é um esvaziamento do espírito humano, criticou. Contudo, religião e ciência não devem adentrar os domínios uma da outra.


Um diálogo necessário

Michael Welker rebateu diversas afirmações de Gleiser, perguntando qual eram, então, o lugar da matemática e da cultura em nossa sociedade, uma vez que não poderiam ser provadas empiricamente. Para ele, é surpreendente que se pergunte sobre a possibilidade do diálogo entre fé e ciência. Por outro lado, ele apontou que há poucas pessoas no mundo que trabalharam nesses dois campos em sua vida. Contudo, não há especialistas que trabalham nas duas linhas de pesquisa ao mesmo tempo. E como fica esse diálogo? Isso significa que ele não é possível? Como lidar com essa situação complicada de que nossas realidades se afastaram tanto a ponto de que não conseguimos falar e entrar em diálogo? Welker acrescenta que isso não significa que a religião não tenha sua racionalidade, sua exegese, sua metodologia. “Não lidamos apenas com realidade natural, mas também com cultura. Não lidamos, também, só com a transcendência. Essas são ideias de uma filosofia popular equivocada”. Quando investigamos a mente, encontramos um oceano de ideias e imaginações. Isso é estúpido só porque não é real em ermos palpáveis?

Outro aspecto debatido por Welker é que existem religiões positivas e negativas. Em sua opinião, o trabalho acadêmico sadio coopera com a religião. Evidentemente pode haver ideias fantasiosas, mas isso não é uma religião cultivada. “Particularmente, tive a sorte de participar de muitos diálogos entre ciência e religião. Mas prefiro falar de ciência e teologia, que são duas áreas acadêmicas”, argumentou.
Algo fundamental, disse o teólogo alemão, é que nos livremos de todas as caricaturas da religião, como se ela só tivesse a ver com o transcendente de uma maneira ingênua.

Criação e evolução

Welker apontou um aspecto que considera equivocado: a ciência, em sua opinião, normalmente leva as glórias pelas descobertas importantes que faz, enquanto que a religião é normalmente ligada a ideias obscuras e duvidosas. Ele frisou a importância de se discernir entre fantasias e outras formas de lidar com nossa realidade. “Há profecias falsas e verdadeiras”, disse.

“A igreja está interessada num trabalho profético sério. Há realidades difíceis de demonstrar, mas na ciência isso também ocorre, como o que está se dando com o Bóson de Higgs”. Welker mencionou que Deus não é o chefe que intervém com o que não está certo. Vivemos num universo diferente, com formas maravilhosas de ordem, fecundidade, amor, mas também muitas coisas comas quais devemos nos surpreender. É aí que a religião começa a atuar. “É preciso cultivar uma cultura da diferença. Por isso, a ciência deve continuar a ser o que ela é, e a religião também. Contudo, o diálogo pode acontecer, sem dúvida”.

Quem é Michael Welker

Welker é autor e editor de várias obras teológicas. Foi professor visitante da Universidade de Chicago (1984), Universidade de McMaster (1985), Princeton Theological Seminary (1988 e 1995), no Centro de Investigação Teológica, em Princeton (1997, 1999) e em Harvard em 2001, no Divinity School. De 1996-2006, foi Diretor do Fórum Internacional de Ciência Heidelberg  (IWH). Em 2003, recebeu uma oferta para assumir o cargo de Diretor do Centro de Investigação Teológica (CTI), em Princeton. Desde 2005, é diretor do do Centro de Investigação Internacional e Interdisciplinar Teologia (FIIT), em Heidelberg. Desde 2004, é membro da Câmara de teologia EKD e os juízes do Tribunal Constitucional da, EKD Dr. theol. hc (Debrecen). Desde 2006 é membro regular da Academia de Ciências de Heidelberg.

Quem é Marcelo Gleiser

Marcelo Gleiser é graduado em Física pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC-Rio, mestre em Física pela Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ e doutor em Física Teórica pelo King’s College, em Londres. É pós-doutor pelo Fermilab e pela Universidade da Califórnia, Santa Bárbara, nos Estados Unidos. Leciona no Darthmouth College, em Hanover, nos Estados Unidos. Tem uma vasta produção acadêmica, além de inúmeros artigos e livros publicados, dentre os quais citamos Cartas a um jovem cientista (Rio de Janeiro: Campus, 2007); Conversa sobre fé e ciência (São Paulo: Agir, 2011), escrito com Frei Betto; Criação imperfeita (Rio de Janeiro: Record, 2010) e A dança do universo (Rio de Janeiro: Companhia de bolso, 2006).

Reportagem: Márcia Junges
Fotos: Luana Taís Nyland

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Fé e ciência: um diálogo possível? Um debate entre Marcelo Gleiser e Michael Welker - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV