A Igreja chilena admite que perdeu credibilidade

Revista ihu on-line

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Ontologias Anarquistas. Um pensamento para além do cânone

Edição: 543

Leia mais

Mais Lidos

  • Bartomeu Melià: jesuíta e antropólogo evangelizado pelos guarani (1932-2019)

    LER MAIS
  • Do samba ao funk, o Brasil que reprime manifestações culturais de origem negra e periférica

    LER MAIS
  • ASA 20 Anos: Água potável é vida e bênção para a infância do Semiárido

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

Por: André | 01 Outubro 2012

Devemos rever os nossos comportamentos pessoais e as estruturas da Igreja: o modo de exercer o nosso sacerdócio, as formas de participação, o lugar dado aos leigos e em especial à mulher.

A reportagem está publicada no sítio espanhol Religión Digital, 28-09-2012. A tradução é do Cepat.

A Igreja católica chilena fez um novo “mea culpa” motivada pelas denúncias de abusos sexuais cometidos por religiosos. Através da Carta Pastoral de 2012, o Comitê Permanente da Conferência Episcopal do Chile reiterou “com a mais profunda verdade o nosso pedido de perdão àqueles que ofendemos. A Igreja perdeu credibilidade por suas próprias fraquezas e faltas”.

A carta, lida pelo arcebispo de Santiago, Ricardo Ezzati, expressa o reconhecimento da necessidade de “rever” diferentes aspectos da atividade pastoral.

“Nós somos os primeiros que devemos ser evangelizados. Devemos rever os nossos comportamentos pessoais e as estruturas da Igreja: o modo de exercer o nosso sacerdócio, as formas de participação, o lugar dado aos leigos e em especial à mulher. Será preciso rever a nossa pregação e nossos sistemas educativos para ver que valores transmitimos”, enfatiza.

Mas esta Carta Pastoral também toca temas mais contingentes e que afetam a sociedade nacional. “O Chile foi um dos países onde se aplicou com maior rigidez e ortodoxia um modelo de desenvolvimento excessivamente centrado nos aspectos econômicos e no lucro, sem dar a devida atenção às suas consequentes tensões e desigualdades escandalosas entre ricos e pobres”, declara.

Seguindo com esta ideia, o documento acrescenta que “hoje escandalosamente em nosso país muitos trabalham e, contudo, são pobres e isto afetou o fundo da vida familiar”.

Também faz referência às mobilizações sociais, que são “justas em suas demandas e podem colocar em perigo a governabilidade sem adequados canais de expressão, participação e imediata solução”.

“A desigualdade se torna particularmente imoral e iníqua quando os mais pobres, embora tenham trabalho, não recebem os salários que lhes permitam viver e manter dignamente as suas famílias”, declara.

O documento, de 63 páginas, tem o título “Humanizar e compartilhar com equidade o desenvolvimento do Chile”. A última carta pastoral é de 2007.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

A Igreja chilena admite que perdeu credibilidade - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV