Teologia da Libertação e Socialismo: ética e espírito a serviço da vida

Revista ihu on-line

A fagocitose do capital e as possibilidades de uma economia que faz viver e não mata

Edição: 537

Leia mais

Juventudes. Protagonismos, transformações e futuro

Edição: 536

Leia mais

No Brasil das reformas, retrocessos no mundo do trabalho

Edição: 535

Leia mais

Mais Lidos

  • Vozes que nos desafiam. Celebração da Festa de Santa Maria Madalena

    LER MAIS
  • O que faria a esquerda despertar? Vladimir Safatle comenta a política brasileira

    LER MAIS
  • Há fome no Brasil: 3 dados alarmantes que Bolsonaro deveria conhecer

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


close

FECHAR

Enviar o link deste por e-mail a um(a) amigo(a).

Enviar

25 Julho 2012

"O ensinamento e práxis do Galileu aquece meu coração com uma utopia: lutar para construir o reino de Deus a partir dos pobres, aqui e agora. A filosofia de Marx é óculos e colírio que me fazem ver de forma crítica a opressão que recai sobre os pobres na sociedade capitalista. Por coração (paixão), sou cristão; por cabeça (razão), sou marxista. Ideal cristão e marxista: a convivência social deve ser justa e solidária. Ninguém pode ser excluído e nem marginalizado", escreve Frei Gilvander Luís Moreira, padre da Ordem dos Carmelitas, mestre em Exegese Bíblica pelo Pontifício Instituto Bíblica, de Roma, Itália; é professor de Teologia Bíblica; assessor da Comissão Pastoral da Terra – CPT -, assessor do Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos – CEBI -, assessor do Serviço de Animação Bíblica - SAB - e da Via Campesina em Minas Gerais, 23-07-2012.

Eis o artigo.


Antonio Julio de Menezes Neto, prof. Dr. da FAE/UFMG me enviou os manuscritos do livro dele A Ética da Teologia da Libertação e o Espírito do Socialismo no MST (Ed. UFMG, Belo Horizonte, 2012). Junto veio um bilhete que dizia: “Gilvander, sabendo que tem muito de você no livro, convido-lhe para apresentar esse novo livro nosso.” Li os manuscritos com carinho e atenção. E fiz a apresentação que segue, abaixo.

Primeiro, o livro acordou em mim minha história pessoal, pois é um alento a quem sofreu (ou sofre) e muitas vezes não sabe porque sofre. Sou o que sou e faço o que faço, em grande parte, porque nasci em uma família sem-terra. Na minha infância senti o que é pertencer à classe dos camponeses empobrecidos. Comecei a sentir injustiça quando, junto com minha família, ao tocar roça à meia, via o patrão-fazendeiro levar 50% da nossa safra e quase a outra metade também para pagar a dívida que tínhamos acumulado do plantio à colheita. Dentro de mim gritava: “isso não é justo. Deus não quer isso.” O fazendeiro ficar com quase toda nossa produção só porque dizia ser o dono da terra?! O suor derramado era muito para ficar só com um pouquinho da produção.

A indignação diante da injustiça social me levou a entrar para o seminário, querendo ser padre. O curso de filosofia na UFPR, com forte cunho marxista, fortaleceu minha vocação. O filósofo Karl Marx me ajudou a compreender porque os pobres sofrem tanto e a descobrir pistas de lutas para superação da pobreza. Aí passei a ser discípulo do camponês Jesus de Nazaré e do intelectual orgânico Karl Marx. O ensinamento e práxis do Galileu aquece meu coração com uma utopia: lutar para construir o reino de Deus a partir dos pobres, aqui e agora. A filosofia de Marx é óculos e colírio que me fazem ver de forma crítica a opressão que recai sobre os pobres na sociedade capitalista. Por coração (paixão), sou cristão; por cabeça (razão), sou marxista. Ideal cristão e marxista: a convivência social deve ser justa e solidária. Ninguém pode ser excluído e nem marginalizado.

Marx disse: “A religião é ópio do povo”. Interpretoses sobre esta afirmação tem distanciado e gerado uma montanha de preconceitos mútuos entre cristãos e socialistas. O livro de Antonio Julio ajuda muito na superação de tais preconceitos. Convém recordar que a afirmação de Marx não tem valor ontológico como se Marx quisesse dizer “toda e qualquer religião, independentemente do seu perfil, é intrinsecamente alienadora.” Marx jamais quis afirmar isso. Ele teve a coragem de denunciar as religiões históricas que andam de braços dados com os poderes opressores.

Antonio Julio, corretamente, pondera: “Marx realiza uma crítica concreta, baseada em estudos acerca de relações sociais e econômicas históricas e, não, uma crítica abstrata da religião.”

Um cozinheiro dos frades carmelitas em Houston, Texas, nos Estados Unidos, me disse, em agosto de 1997: “Sou latino-americano, mas participei da guerra do Vietnã defendendo os Estados Unidos e Deus.” Ele retirou do bolso uma nota de dólar, me mostrou e disse: “está escrito aqui “we trust in God” (“nós acreditamos em Deus”). Lá no Vietnã era a guerra entre o mundo ateu e o mundo crente, a guerra entre Deus e o demônio. Estávamos lá defendendo não apenas os Estados Unidos, mas Deus. Queríamos evitar que os ateus comunistas e o mal tomassem conta do mundo.” Ao ouvir isso, boqueaberto, entendi que ao se declarar teoricamente ateu, o “socialismo real” traiu Karl Marx, pois entregou um argumento de ouro aos capitalistas que, ateus na prática, se sentem defensores de Deus na terra, mas na realidade são arautos de um ídolo: o deus capital/mercado. O livro de Antonio Júlio A Ética da Teologia da Libertação e o Espírito do Socialismo no MST que sugiro a leitura ajuda a evitar que massacres em nome de Deus, como a Guerra do Viatnã, se repitam.

O livro pressupõe Ética como uma categoria análoga, que não tem conceito único. Entende ética como um jeito de conviver que encarna a regra de ouro: “Não faça aos outros aquilo que não quer que lhe seja feito” (Mateus 7,12). Quatro pontos, vivenciados pelas CEBs e pelo MST, são imprescindíveis para um agir ético segundo a Teologia da Libertação e o espírito do socialismo: Pensar e agir: a partir do empobrecido, de forma coletiva e participativa, a partir de toda a biodiversidade, superarando assim o antropocentrismo, e a partir de um modelo econômico justo e sustentável ecologicamente.

Karl Marx dizia que “o lugar social determina o lugar epistemológico”, ou seja, nossos olhos, em última instância, não estão no nosso rosto, mas nos nossos pés. Pensar e agir a partir do empobrecido – pobre, mulher, negro, indígena, criança, idoso, deficiente físico e/ou mental, homossexual, governado, divorciada, mãe Terra, irmã água, biodiversidade, outra religião/igreja etc - do enfraquecido, do pequeno - é encarnar a regra de ouro.

O livro recorda Paulo Freire, Francisco Julião, Mariátegui, padre Camilo Torres e tantos outros que entenderam a íntima relação que há entre Cristianismo e Socialismo, como Rosa Luxemburgo, que, ao analisar a religião dos primeiros cristãos, conclui: “na prática os primeiros apóstolos cristãos eram fervorosos “comunistas”.”

As entrevistas realizadas para o livro de Antonio Julio revelam a complexidade das relações entre cristianismo e socialismo. Demonstram também que ainda persistem preconceitos de ambos os lados: tanto entre militantes socialistas do MST quanto entre cristãos com sensibilidade social. Se tivesse sido entrevistado camponesas/ses da base do MST é provável que seria verificada uma insidência maior da fé cristã, segundo a Teologia da Libertação, como motivadora de engajamento nas lutas propostas pelo MST. Intuo que entre os militantes do MST predomina o espírito socialista, mas entre as camponesas/es da base do MST ainda predomina a fé cristã e uma ética inspirada na Bíblia, interpretada de um jeito popular, militante e transformador.

Arrisco dizer que se as necessidades materiais são o que dá mais liga para a coesão entre os Sem Terra em uma ocupação até a conquista da terra, o cultivo dos valores de uma fé libertadora, segundo a Teologia da Libertação, têm mais fôlego para sustentar a perseverança em um projeto socialista.

Motivações filosóficas e sociológicas na linha do marxismo são imprescindíveis, mas insuficientes. Ainda em 1968, um comunista disse “no Brasil e na América Latina, com um povo eminentemente religioso é impossível fazer revolução socialista sem a Bíblia.” Acrescento, hoje: sem uma fé libertadora no Deus da vida, que combina a fina flor da filosofia de Marx com a fina flor de uma Teologia da Libertação atualizada.

De fato, a fé, em si mesma, é algo ambíguo, pode libertar ou oprimir. No fundo não basta ter fé. Depende que tipo de fé se cultiva. A questão central não é ter ou não ter fé, mas que tipo de fé ter? Importa incorporar uma fé libertadora como instrumento que pode levar à conscientização do valor da vida, a não submissão às condições de opressão. Trata-se de ter a fé de Jesus de Nazaré e não apenas ter fé em Jesus.

Em seis capítulos bem encadeados, partindo da fé cristã, no livro está uma retrospectiva da Teologia da Libertação e dos principais traços do socialismo. Passa pelo nascimento e atuação da Comissao Pastoral da Terra, até desaguar na criação e evolução do MST, com uma bibliografia invejável, Antonio Julio reflete com destreza, em uma linguagem acessível, as relações existentes entre ética da Teologia da Libertaçao e espírito do socialismo no MST.

Enfim, trata-se de um livro que demonstra como uma fé libertadora, segundo a Teologia da Libertação, pode impulsionar lutas sociais transformadoras que necessariamente deve levar à superação do capitalismo e à construção de um socialismo segundo Marx e as especificidades históricas nossas. A quem tiver acesso ao livro, boa leitura.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Teologia da Libertação e Socialismo: ética e espírito a serviço da vida - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV