Conferência pode entrar para a história como 'Cúpula dos Mares'

Revista ihu on-line

Diálogo interconvicções. A multiplicidade no pano da vida

Edição: 546

Leia mais

Cultura Pop. Na dobra do óbvio, a emergência de um mundo complexo

Edição: 545

Leia mais

Revolução 4.0. Novas fronteiras para a vida e a educação

Edição: 544

Leia mais

Mais Lidos

  • Três grandes ameaças à vida na Terra que devemos enfrentar em 2021. Artigo de Noam Chomsky e Vijay Prashad

    LER MAIS
  • Brasil pode ter 2021 pior que 2020 mesmo com vacina, diz ex-presidente da Anvisa

    LER MAIS
  • Uma fala irresponsável!

    LER MAIS

Newsletter IHU

Fique atualizado das Notícias do Dia, inscreva-se na newsletter do IHU


14 Junho 2012

Se a Rio-92 ficou conhecida como a Cúpula da Terra, a Rio+20 pode entrar para a história como a Cúpula dos Mares. Um dos seus principais resultados será o embrião de um tratado de proteção dos oceanos, dizem especialistas.

A proposta envolve a conservação da biodiversidade em áreas fora de jurisdições nacionais. Estima-se que 50% da superfície da Terra esteja em áreas marinhas fora das zonas econômicas exclusivas.

"O alto-mar é um bem coletivo global e todas as nações têm o direito e a responsabilidade de garantir a proteção e a preservação dessas áreas", disse Matthew Gianni, cofundador da ONG High Seas Alliance.

A reportagem e a entrevista é de Cláudio Angelo e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, 14-06-2012.

O texto-base da Rio+20, que começou a ser negociado ontem no Riocentro, contém 20 parágrafos sobre oceanos -com acordo em quase metade deles. A proteção do alto-mar é um dos pontos que ainda estão em aberto.

Em entrevista, Gianni, americano casado com uma carioca e radicado na Holanda, falou dos obstáculos à criação desse tratado.

Eis a entrevista.

Por que deveríamos proteger o alto-mar, para começo de conversa?

Os mares profundos, que são a parte do oceano abaixo da borda da plataforma continental são um dos maiores reservatórios de biodiversidade da Terra, e a maior parte está em águas internacionais. Todas as expedições científicas para explorar essas áreas encontram espécies novas. Além disso, espécies, incluindo peixes, cetáceos e tartarugas, migram longas distâncias entre a costa e o alto-mar.

Qual é a maior ameaça a essas regiões do oceano?

A sobrepesca e práticas destrutivas, como a pesca de arrasto em montes marinhos.

O que a Rio+20 pode fazer pelo alto-mar?

Na visão de ONGs e países, o resultado mais importante seria um acordo para um tratado de conservação de áreas marinhas além de jurisdição nacional. O tema é debatido há seis anos, nenhuma decisão foi tomada.

Quem está contra?

Canadá, Rússia, Islândia, Coreia do Sul e EUA.

E o Brasil?

Tem sido progressista nesse tema. Esperamos que o priorize na Rio+20.

Comunicar erro

close

FECHAR

Comunicar erro.

Comunique à redação erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página:

Conferência pode entrar para a história como 'Cúpula dos Mares' - Instituto Humanitas Unisinos - IHU

##CHILD
picture
ASAV
Fechar

Deixe seu Comentário

profile picture
ASAV